Mais um abuso da BHTrans

Palhaço BozoA BHTrans consegue se superar a cada dia! Como gostaria muito de escrever este post pelo lado positivo, com alguma ação realmente efetiva e honesta do órgão que administra o trânsito de Belo Horizonte. Mas, infelizmente, escrevo mais uma vez para mostrar outro absurdo da empresa. Realmente ela está “passando dos limites”, como disse o título da matéria da repórter Paula Carolina, do jornal Estado de Minas.

Resumindo o fato (mesmo texto do bigode/linha fina da matéria): “Proprietário não pode retirar veículo apreendido por estar em nome do pai, morto há alguns meses. Até que inventário seja concluído, só ordem judicial para liberar o carro”.

Ou seja, o motorista Rodrigo (nome trocado a pedido do proprietário do veículo) parou o carro num local proibido e o veículo foi rebocado. Até aí tudo bem. Como está na matéria, “contra o reboque e apreensão, Rodrigo não tem nada a questionar, já que o veículo estava em área de carga e descarga”.

Aí vem o absurdo completo da BHTrans! Rodrigo não consegue retirar o carro porque ele está no nome do pai dele, falecido há aproximadamente dois meses! Para retirá-lo do pátio da empresa, a BHTrans exige que o Rodrigo obtenha um alvará na Justiça! É um absurdo!

Rodrigo é filho único e inventariante, responsável legal pelo espólio, e único herdeiro; ele tem a certidão de óbito do pai, além de todos os documentos do veículo e a cópia da petição e número do processo do inventário. O que mais ele precisa mostrar para a BHTrans? Quanto ele calça? O tamanho de camisa? A comida favorita? O advogado Evandro Braz de Araújo Júnior foi muito correto ao afirmar que “a exigência da BHTrans é arbitrária, abusiva e excessiva”.

Posso afirmar que conheço o Rodrigo pessoalmente. Acompanhei o caso muito, mas muito de perto. O que a BHTrans fez e está fazendo extrapola qualquer senso de noção! O Rodrigo tem inúmeros documentos que, se fossem levados a uma empresa um pouco mais séria e, principalmente, mais organizada, ele já estaria rodando com o carro há muito tempo.

Enquanto o alvará da justiça não sai, a BHTrans lucra com as diárias do veículo, que está preso no pátio por causa de uma burocracia idiota. Será que a BHTrans está visando o lucro? Prefiro não responder, nem comentar mais nada…

Atualização (14/08):

Coincidência ou não, Rodrigo conseguiu o alvará ontem e a liberação do seu carro hoje, um dia após a matéria ter sido publicada no De 0 a 100, no jornal Estado de Minas e no Portal Vrum. Ao todo, o carro ficou 14 dias no pátio da BHTrans.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *