Completo é completo mesmo?

Mais uma vez estive numa concessionária da Ford para saber como andam as vendas e como estão os preços, os modelos, as versões, etc. E, para a minha infelicidade, novamente não fui bem atendido. Não sei se isso só acontece comigo, mas quase todas as vezes que vou a uma revenda da Ford, saio com o mesmo sentimento: não volto mais aqui nem por decreto!

Uma vez liguei para um vendedor (hoje conhecido como consultor de vendas) que me disseram ser excelente, “o melhor da casa”. Marquei um horário com ele, num dia mais vazio, e fui pensando “finalmente vou receber um bom atendimento numa revenda da Ford, depois de muito tempo”. Mas, o que aconteceu? Eu cheguei pontualmente no horário combinado e o vendedor não apareceu! Faltou ao trabalho! Tinha outra pessoa para me atender? Aparentemente sim… “Aguarde só um momento que outro consultor irá atendê-lo”, disse a recepcionista. Vinte e cinco minutos depois, outro consultor de vendas veio falar comigo. Quando ele disse “olá, meu nome é fulano… desculpe-me pela demora”, eu já respondi de bate pronto: “não gostei nem um pouco de esperar tanto tempo e me recuso a fazer negócio com uma revenda que não sabe atender bem um cliente”. Saí do local sem olhar para trás – para ver novamente a cara de perplexidade do consultor e da recepcionista.

Mas, como gosto muito de carros, acabei voltando a uma concessionária (diferente agora). O atendimento foi, no máximo, razoável. Vi um EcoSport XLS 1.6, com ar-condicionado, direção hidráulica, faróis de neblina, trio elétrico e mais alguns “bônus” (taxa do Detran, CD-Player, película e protetor de carter) por R$ 48.900. A linha Fiesta partindo de R$ 27.600 (com o mesmo “bônus” incluído) e o Ka com valor inicial de R$ 23.900 (também com o “bônus” “grátis”). Como gosto de hatches médios, fui direto olhar o novo Focus. Mas foi o “entorno“ do velho Focus que chamou a minha atenção.

Completão
O vendedor perguntou se eu gostava do Focus e me disse que tinha um ótimo negócio num “velho” Focus de pronta entrega. Era um Focus 1.6 flex (MAF9) “COMPLETÃO” por R$ 38.900. Eu pensei: completo por R$ 39 mil, esse eu quero ver. Chegando lá o Focus tinha ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricas. Então perguntei: “mas você não disse que o carro era ‘completão’?”. E o consultor respondeu dizendo que sim, e que eu ainda ganharia o “bônus” já citado acima. Então perguntei “na lata”: “como você diz que um carro é ‘completão’, sendo que ele não tem freios ABS e airbag duplo, por exemplo?”. E emendei: “esse Focus aí é apenas relativamente vem equipado”. Ele desconversou pra cá, falou daqui, dali, e não conseguiu me convencer que o Focus era mesmo “completão”. Eu até não o culpo por isso.

O que acontece é que a palavra e a idéia do completo (ou “completão”) precisam ser usadas de maneira mais adequada. Na minha opinião, um carro com ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricas não é completo de jeito nenhum. O meu padrão de “completo” é composto, no mínimo, por ar-condicionado, direção assistida, vidros, travas e retrovisores elétricos, ajuste de altura do banco do motorista (e do passageiro, se possível); ajuste de altura e profundidade do volante, faróis de neblina (dianteiros e traseiro), freios ABS com EBD e airbag duplo. Nem preciso dizer que limpador (dependendo do modelo – vide sedã) e desembaçador do vidro traseiro, cinto de três pontos e apoio de cabeça para todos os ocupantes deveriam ser de série em todos os veículos nacionais. Gosto também de som com MP3 com conexão Bluetooth para celular e acho o sensor de estacionamento interessante, mas deixo isso a gosto de cada um, já que eles são vendidos como acessórios na maioria dos casos (e existem vários modelos e versões). O alarme também é muito importante, mas não faço questão dele vir de fábrica, já que, em alguns casos, como o citado pelo Bruno nas Impressões do Golf, ele pode ser péssimo.

Então, se cada pessoa tem o seu “nível de completo” para um veículo, não acho que os anúncios deveriam chamar um carro de “completo” ou “completão”. Acho ridículo aqueles adesivos pregados nos vidros ou um anúncio de jornal dizendo “completo – ar”. Como um carro pode ser completo se ele não tem ar-condicionado? Ele até pode ser completo para algumas pessoas, mas para mim não é.

Atualização (15/09/09)
Acrescento aqui o texto enviado pelo Rafael Dias, de Vila Velha (ES), sobre uma experiência que ele teve no início de 2009. Acho que va le a leitura.

No inicio deste ano fui até algumas concessionárias da Grande Vitória (Estado do Espírito Santo), ajudar um amigo a escolher seu primeiro carro zero km. Não que eu seja um expert no assunto, mas eu procuro ler bastante e me informar.

Com o desconto do IPI e dinheiro na mão, agora é a hora de comprar, é o que dizem os jornais. Porém a realidade não foi bem assim, o que eu encontrei foi um desrespeito ao consumidor, em todos os sentidos. A começar pelo atendimento dos vendedores que parecem não se importar com sua presença (lembrando que numa loja de calçados basta você cruzar a porta da loja para receber o sorriso do vendedor pronto a lhe atender, em alguns casos chega a incomodar), no caso da concessionária, o jeito é usar o artifício de solicitar um garçom.

Com o modelo do carro em mente e do tamanho do seu bolso, você espera o vendedor pesquisar no sistema para ver se ele está disponível no pátio, é cruzar os dedos, pois isso é raro de acontecer. Simplesmente se o carro não existe no pátio não há como negociar, então o jeito é retornar a loja quando o pátio estiver cheio (tomara que tenha o carro da cor e com os equipamentos que você sonha!) ou o jeito é se contentar com aquele que não está nos seus planos, pois o vendedor irá lhe convencer de todas as maneiras, dizendo todos os benefícios que ele considera bom para você, sem contar os brindes ou o descontinho, tudo para desovar o modelo que está no pátio.

Em outras palavras, se você deseja comprar um carro vermelho, no pátio só tem branco, o jeito é comprar o branco, pois o vendedor não faz questão alguma de querer encomendar o carro dos seus sonhos, mas porquê? Escutei do vendedor as seguintes desculpas: a cor que você escolheu é mais difícil de conseguir (interessante que está no catálogo do fabricante); se você encomendar além de demorar 40 dias, não vai ter como negociar um desconto, escutei até que o IPVA sai mais caro! Existem as mais variadas desculpas…

Parece que não há direito de escolha, pelo menos montando o carro no site do fabricante você pode escolher tudo, já na vida real a coisa não funciona assim. Um bem de consumo que não sai por menos de 21 mil reais (carro popular) é tratado dessa forma, você compra o que a concessionária disponibiliza, melhor dizendo, o que está na sua vitrine.

Quer dar uma volta no carro dos seus sonhos? Só se você for até uma locadora de automóveis, porque na concessionária vai ser difícil, sempre é mesma desculpa, ou o carro não está no momento ou o vendedor não vai querer te acompanhar no test drive, talvez você nem goste do carro depois de dirigi-lo! Interessantes são as faixas na frente da loja e propagandas na TV chamando para o test drive. Eles poderiam pelo menos colocar um asterisco no final da frase dizendo qual automóvel está disponível, que no caso, sempre será o último lançamento, pois o popular, jamais estará lá.

Voltando a historinha da loja de calçados, você compra um tênis sem colocar no pé? Eu acho que não… com o carro também deveria ser assim, se o tênis comprado ficou pequeno, você troca, se deu calo, você dá para alguém. Com um carro, infelizmente nenhuma das opções dá para fazer, o jeito é conviver com ele (parecia tão confortável e silencioso parado na loja!!). Daí a importância de andar no veículo e não somente vê-lo parado brilhando na vitrine.

Ai eu pergunto, será que existe crise no setor automobilístico? Para um consumidor ser tratado dessa maneira, é porque as vendas estão de vento em polpa e olha que o carro vendido no Brasil é um dos mais caros do mundo e de qualidade duvidosa, principalmente os ditos populares.

Mesmo assim, nós brasileiros juntamos nosso dinheiro suado ou pagamos financiamento a perder de vista para realizar o sonho de possuir um automóvel zero km. E agora, além dos tradicionais transtornos com a pós-vendas (serviços de manutenção), somos obrigados a comprar o que não queremos e escutar o que não devemos.

É importante esclarecer que nem todos os profissionais de venda e concessionárias agem dessa forma, porém se a situação descrita acima se repete em 5 concessionárias de diferentes marcas é por que há algo de errado na forma de vender ou será que o consumidor está exigente demais?

Comentários (16)

  1. O atendimento em geral é uma coisa EXTREMAMENTE sofrível para o consumidor no Brasil. Se você aparenta ser + jovem e com cara de “menino” como é comum se dizer tá lascado! (meu caso)
    Pior é que se reclamar e fritar os caras como você fez, ainda é taxado de “cliente chato”. Coisas do Brasil…
    Sobre o conceito de “ser completo” também concordo 100% mas até a maioria ter essa visão que nós temos vai demorar muito viu…
    Abraços!

  2. Fiquei impressionado com a revolta do Parizzi! hehehe! Mas concordo com o que ele disse. O completo do brasileiro, é muito INCOMPLETO. Com relação à Ford, vc não é a primeira nem a segunda pessoa que diz isso. E eu sou o único a discordar. Aqui em casa tivemos três Fords, sendo um deles o próprio “Focus velho”. Fomos conquistados pelo ótimo atendimento da Ford e atenção recebida. Desde o momento da compra até as revisões e venda do carro. Para se ter uma idéia, eu sozinho com meus 19 anos fui à concessionária olhar o Focus que seria da minha mãe. Conforme o Bruno disse, pensei que seria mal atendido devido a cara de moleque. Totalmente enganado, não só fui bem tratado, como retornaram a ligação me oferecendo o carro num preço melhor!! E, na época, acabamos comprando.

  3. Eu estive em uma FORD no final de semana e fui muito bem atendido. Ligaram depois para saber por que não deu negócio e ofereceram mais pelo meu carro além de abater um pouco o preço do deles. Eu gostei e posso até voltar lá de novo. É FATO!

  4. Leônidas e Jow, fico feliz em saber de bons atendimentos. Acho que eu realmente dei azar consecutivamente com as concessionárias da Ford.

    Só mais uma coisa, o fato dos meus episódios de atendimento terem sido ruins não significa que os carros da Ford são ruins! A marca tem alguns modelos bem interessantes. Eu gosto muito do Focus, especialmente do novo! Inclusive penso nele para o meu próximo carro. Acho o Ka um carrinho legal, mas nunca terei um por causa do espaço interno e da posição de dirigir. O Fusion também me agrada. Só não sou muito fã do Fiesta.

  5. Caro Jow, eu olhei o novo Focus Sedan e gostei. Automático, 59.600. Manual, 56.900. Deu 25.000 de diferença e achei muito mas não descartei ainda. Olhei a Nova Ranger cabine dupla também. Seria minha escolha na FORD. Mas é grande demais, maior que minha vaga na garagem. Uma coisa é certa, comprar carro é bom demais. É FATO!

  6. Antigamente, década de 80 e início da de 90, carro completo tinha: Ar, direção e trio elétrico. Acho que 15 anos depois não mudaram esse conceito ainda…pelo menos quem vende. Quero deixar um protesto tb, todo carro deveria vir com protetor de carte tapetes e desembaçador e limpador(menos sedam claro) traseiro. Vender isso separado, mesmo que seja o carro mais barato do mercado é muita sacanagem…daqui a uns dias, vc vai ter que pagar pelo estepe tb.

  7. Leônidas, a desvalorização de seu carro foi grande em! Acho que se vc pensa no Focus como opção, deve esperar o Focus 1.6flex que deve sair logo logo e não será um motor fraco.

  8. Vixi!! no inicio desse ano fui ajudar um amigo a escolher um carro zero km (digo ajudar pq o cara não entende nada de carro) eu pelo menos sou informado. rs

    Então a situação não foi bonita, atendimento péssimo em umas 5 concessionárias, inclusive ford.

    Eu fiquei tão indignado que fiz um texto para reclamar da situação que passamos.

    Gostaria de dividir com vc Renato, caso vc queria publicar fique a vontade, estou mandado para o e-mail do de 0 a 100.

    Valeu!

  9. O que é um carro completo?, para os padrões tupiniquins onde as Leis não protege(até hoje), os usuários de carros seria: Ar, Direção hidráulica, vidro elétrico e travs elétricas. Para os Americanso e Europeus, os automóveis estarão sempre incompletos sabem porque?, todo dia nasce um item de segurança muitas vezes impostas pelos governos outros desenvovidos pelas montadoras vejam os Volvos, os mais seguros do mundo e todos anos eles aparecem com uma novidade nos automóveis, as Mercedes-Benz idem, o classe S-600 parece uma verdadeira fortaleza com tanta sagurança, já na Índia tendo um motor e quatro rodas tá de bom tamanho portanto, o que é um carro completo?.

    Renato Dantas

  10. Concordo com o Hugoas: não ser de série o protetor de cárter, desembaçador e limpador, é uma piada.
    Ressalto que o novo motor do Focus, pelo que venho lendo, renderá mais de 120 cv, tornando-o um dos 1.6 mais potentes do mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *