R.I.P. HUMMER

Não sei se hoje é um dia feliz ou triste, mas o fato foi que a General Motors (responsável pela foto acima) anunciou que vai encerrar as operações da Hummer. O motivo para isso não foi revelado, mas, como o acordo com o grupo chinês Sichuan Tengzhong Heavy Industrial Machines não saiu, o processo de fechamento da fábrica foi acelerado.

Quando digo que não sei se fico feliz é porque penso no lado ecológico. O Hummer é um carro grande, beberrão e gastador em vários outros sentidos. Ele realmente nunca se pareceu com um veículo civil. Parecia ser mais útil apenas no campo militar.

Mas confesso que fiquei triste. Primeiro porque mais de duas mil pessoas perderão seus empregos em breve. Segundo que, mesmo fora de época, acho importante ter veículos feito os Hummers no mercado mundial. Aumenta a variedade e as opções para os consumidores. E terceiro, aliado ao segundo ponto, é o fato da General Motors estar perdendo a grande chance de mostrar (e de se superar) que é possível fazer um Hummer com características ecológicas, sem perder as qualidades de um super jipão.

Para quem não se lembra, o Hummer ficou famoso durante a Guerra do Golfo, na década de 1990.

Que a marca descanse em paz, junto com várias outras que marcaram a indústria ainda mais. (foto: GM/Divulgação)

Comentários (9)

  1. Bruno medina, o Parizzi está certo eles também participaram da guerra do golfo e foi uma arma letal para os Iraquianos. “A Guerra do Golfo foi um conflito militar iniciado em 2 de agosto de 1990 na região do Golfo Pérsico, com a invasão do Kuwait por tropas do Iraque. Esta guerra envolveu uma coalização de forças de países ocidentais liderados pelos Estados Unidos da América e Grã Bretanha e países do Médio Oriente, como a Arábia Saudita e o Egito, contra o Iraque.
    Wikipédia.

  2. Sai HUMMER entra AGILE eta bico feio. Será que se recupera. O feinho até que tá vendendo, mas nunca compraria um a porta traseira dificulta a entrada num carro tão espaçoso por dentro. É um estilo questionável, mas esta vendendo fazer o que.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *