Dupla escolha: o que vale mais? Golf 1.6 Sportline ou 2.0 Tiptronic?

Volkswagen-Golf-Sportline-flex-Brasil

Enquanto os principais mercados do mundo desfilam com a mais nova geração do Golf, os brasileiros ainda são obrigados a passear com uma versão ultrapassada do modelo (4,5). Mas isto não significa que o carro seja ruim – pelo contrário. Quem aprecia suas características de condução fica só com uma dúvida na cabeça. Qual versão comprar: 1.6 Sportline ou 2.0 Tiptronic?

Ambos oferecem uma boa lista de equipamentos de série: oito alto-falantes, ajuste manual da altura do banco do motorista, ar-condicionado eletrônico “Climatronic”, carcaça do espelho retrovisor externo e diversas peças de montagem externa na cor do veículo; CD-player MP3, USB, SD-Card e Bluetooth, compatível com iPod; chave estilo canivete com controle remoto, coluna de direção com regulagem de altura e profundidade, direção hidráulica, dispositivos antifurto das rodas, trio elétrico, freio a disco nas 4 rodas, sensor de estacionamento e rodas de liga leve.

O Golf Sportline 1.6 flex custa R$ 57.290 (sugeridos) e vem equipado ainda com bancos dianteiros “esportivos conforto”, descansa-braços central na frente, espelhos de cortesia iluminados no para sol direito e esquerdo, faróis de neblina dianteiros e luz de neblina traseira; pneus 205/55 R16”, regulador eletrônico de velocidade, revestimentos dos bancos em couro e tecido, spoiler traseiro na cor do veículo e tampa do porta-luvas com chave.

Entre os opcionais, destaque para banco traseiro bipartido, apoio de cabeça e cinto de três pontos no meio atrás; teto solar elétrico; airbag duplo, sistema ABS de freios com EBD; volante multifunção, espelho retrovisor interno antiofuscante automático e sensores de chuva e luminosidade.

O motor é o velho conhecido 1.6 VHT Total Flex, que também equipa o Gol, Voyage, Fox, SpaceFox, Polo e Polo Sedan. Com gasolina, ele desenvolve 101 cv de potência e 15,4 mkgf de torque e 104 cv e 15,6 mkgf com álcool. Auxiliado por um dos melhores câmbios do mercado nacional, o Golf tem bom desempenho, mas nada que chegue a empolgar. Na hora de abastecer, o hatch 1.6 tem média de 8 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada com etanol e 9,5 km/l no trecho urbano e 14,2 km/l na estrada com gasolina. Nada mau para um veículo de 1.193 kg.

Já o Golf 2.0 custa R$ 59.750 e tem uma lista de opcionais mais longa do que o Sportline. Além dos mesmos do “concorrente”, a VW oferece faróis de neblina dianteiros e lanterna de neblina traseira, pneus 205/55 R16, spoiler traseiro na cor do veículo, descansa-braços central na frente, entre outros – todos de série no Sportline.

O grande diferencial do Golf 2.0 é mesmo o seu câmbio automático sequencial Tiptronic de seis marchas, com trocas precisas. Aliado ao motor 2.0 Total Flex de 116 cv de potência e 17,7 mkgf de torque com gasolina e 120 cv e 18,4 mkgf de álcool, o modelo é muito gostoso de guiar e tem desempenho notavelmente superior ao 1.6. Ainda assim, por ser 2.0, o hatch médio da Volks poderia andar um pouco mais.

Mas nem por isso o Golf 2.0 Tiptronic bebe muito mais que o 1.6. Quando abastecido com etanol, a média foi de 6,8 km/l na cidade e 9,7 km/l na estrada. Com gasolina no tanque, são 8,7 km/l na cidade e 15,5 km/ na estrada. Em rodovias, a sexta marcha fez a diferença para melhorar a bebedeira do veículo, que pesa 1.259 kg.

O Golf Sportline 1.6 flex é mais equipado e custa R$ 2.460 a menos, diferença suficiente para investir no seguro ou no IPVA. Mas, colocando os prós e contras na balança, o Golf 2.0 Tiptronic tem melhor conjunto, já que traz os principais itens de série do Sportline 1.6, além do excelente câmbio Tiptronic de seis marchas. Com desempenho superior e mais conforto ao rodar, ele é a compra mais indicada.

Pena que a Volkswagen não tenha investido um pouco mais em segurança nas duas versões. Como o veículo está na geração 4,5 no Brasil, este poderia ser um dos diferenciais da linha Golf no país. Por mais que os modelos tenham freio a disco nas quatro rodas, ambos poderiam ser equipados, de série, com airbag duplo, ABS com EBD, encosto de cabeça e cinto de três pontos para todos os ocupantes.

Texto meu originalmente publicado no Jalopnik Brasil.

Comentários (1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *