Flagrante do Mille Adventure Conversível

O Fiat Mille nasceu como hatch, mas já virou sedã (Prêmio/Duna), perua (Elba), picape (Fiorino) e furgão (Fiorino Furgão). Mas eu nunca tinha visto uma variável tão “radical” da carroceria do veterano italiano: Mille Adventure Conversível.

Reparem que o estepe foi para a tampa do porta-malas e que os retrovisores vieram diretamente do Fiorino, para aumentar o aspecto de robustez. O corte para virar um “jipe conversível” ficou um pouco amador (vejam as portas, por exemplo), mas até que a evolução do Mille Way para “Mille Adventure” ficou legal.

No outro flagrante que presenciei, o dono de uma Strada cabine dupla resolveu cobrir a caçamba com uma tampa. Ao invés de fazer isso, fiquei pensando: por que será que ele não comprou um Palio Weekend? Tudo bem que a picape permite levar mais carga, mas seu banco traseiro leva apenas dois adultos com menos de 1,75 m, ou seja, com pouco conforto. A perua tem mais espaço para os ocupantes.

Uma das explicações pode ser o preço: R$ 38.970 para a Strada Working Cabine Dupla 1.4 flex (versão da foto); e R$ 41.330 para o Palio Weekend Attractive 1.4 e R$ 43.510 para o Palio Weekend Trekking 1.4. Alguém tem mais alguma explicação?

Comentários (11)

  1. Esse mille ficou simplesmente horrorivel, muito muito feio…
    quanto ao caso da strada seria acho que seria para carregar certo tipo de carga deixando-a mais protegida, até porque a pick-up suporta maior carga, o local para armazenamento dela e mais robusto do que acontece na palio weekend, pois pense colocar um tanto de ferramentas pesadas, aquelas caixas de madeiras no porta malas da perua, alem de nao ser apropriado com a grande sujeira que ali ficaria seria um grande problema, ja na pick-up pode simplesmente jogar agua em toda a parte traseira limpando-a.

  2. Como diria aquele velho ditado popular: “Quem não tem cão, caça com gato”! No caso do “Mille Adventure”, além da estética horrível, têm que ter muita coragem de sair nas ruas com um carro desse. Já a Fiat Strada, ficou dos “males o menor”!! Tá certo que cada um faz o que bem entende em seu carro, mas, pelas ruas é fácil ver donos que fazem verdadeiras “defecadas” em seus “carrões”, tais como: bagageiros e/ou estepes que destoam do restante do carro, excesso de cromados e/ou adesivos entre tantas outras adaptações “fantásticas”!! Acaba sendo ridículo e engraçado ao mesmo tempo!!

  3. Vamos aos fatos “desde quando o Mille foi ou é bonito para ficar feio”, por ser uma privada com volante explico: enquanto dirigiam deram uma tremenda cagada ao criar este monstrengo.

  4. Chegou o grande dia, revisão dos10.000km, troca de óleo, filtro do óleo, filtro de combustível e uma bela lavagem com limpeza interna custou-me a fortuna de R$ 125,45, e pagando em três parcelas sem juros, isso é uma vergonha vou trocar a carroça da Honda por um Chery Cielo e viver feliz para sempre.

  5. As adaptações feitas na década de 80 por empresas particulares no Mille, também o tranformavam em cabriolet, apesar de que eles estavam mas para Targas.

    Em todo caso, nem a Fiat conseguil fazer um popular mais bonito que o Uno Turbo, Gol GTI, Kadett GSI ou Ecort XR3 nunca chegaram perto. Nem em beleza nem em esportividade.

  6. O Mille deve ter sido capotado para justificar o “empreendimento”. Quanto à Strada, a única justificativa plausível é um mau gosto do proprietário.

  7. A Strada é simples, a pessoa precisa de carregar cargas em grande volume, assim não correndo o risco de”tombar” a carga, e poder carregar 4 pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *