Vale a pena comprar um carro chinês?

Não muito tempo atrás publiquei uma enquete aqui no De 0 a 100 com a seguinte pergunta: Qual é o melhor carro chinês vendido no Brasil?. O resultado foi o esperado, ainda mais pelo fator de novidade do recém lançado Jac J3.

Resolvi então pegar os dois primeiros colocados da enquete, além do veículo que chegou mais recentemente às concessionárias, para fazer uma breve análise de mercado de cada um, pensando na pergunta: vale a pena comprar um carro chinês?

Jac J3

É a grande “estrela” dos anúncios dos dias de hoje. E o modelo parece estar sendo bem recebido pelo público. Em março, segundo dados da Fenabrave, foram emplacadas 322 unidades do J3 no Brasil. Esse número subiu para 1.316 unidades em abril.

O aumento foi significativo, mas não foi o suficiente ainda para superar o Chevrolet Corsa (2.121 unidades em abril – 7º no ranking do segmento no mês passado), o Fiat Punto (6º com 2.779 unidades em abril), o Citroën C3 (5º com 2.873 unidades emplacadas em abril), o Chevrolet Agile (4º no mês com 5.831 unidades emplacadas), o Renault Sandero (3º com 6.670 unidades), o Volkswagen Fox + CrossFox (2º em abril com 8.959, mas líder no acumulado do ano) e o Ford Fiesta (1º em abril com 9.599 unidades emplacadas).

Mas vamos esperar até o final do ano para realmente conseguir avaliar, de forma mais correta, o comportamento do Jac J3 no mercado nacional. Mas é fato que o seu conjunto é bem atraente. Por R$ 37.990, o consumidor leva o modelo com  freios com sistema ABS e EBD, airbag duplo frontal, sensor de estacionamento traseiro, direção hidráulica, rádio CD Player com MP3, USB e seis alto-falantes, ar-condicionado, farol com regulagem de altura, farol de neblina; retrovisores, travas e vidros elétricos e rodas aro 15′, entre outros itens. O motor a gasolina 1.3 16V de 108 cv de potência e 14,1 kgfm é vendido como 1.4 – marketing puro.

Chery Cielo

Seu preço já foi mais baixo, mas o Cielo continua com um pacote atraente para o consumidor. Por R$ 43.990 (R$ 2.090 a mais do que em 2010), o Cielo pode ser encontrado com freios com sistema ABS e EBD, ESP e EPS, direção hidráulica, ar-condicionado, airbag duplo, regulagem de altura do volante, som com CD Player MP3 com entrada USB, porta-objetos, travamento das portas, vidros e ajustes dos retrovisores com comando elétrico e rodas de liga leve de aro 16″ – sem contar o visual interessante criado pelo pela Pininfarina. Seu motor a gasolina desenvolve 119 cv de potência e 14,98 kgfm de torque e sua suspensão traseira é independente.

Se a vida do J3 é complicada por causa dos concorrentes, a do Cielo também não é nada fácil. Como vencer veículos novos e populares como Hyundai i30 e Ford Focus, ou adversários como Citroën C4, Fiat Bravo e Nissan Tiida, sem contar os veteranos Chevrolet Astra e Volkswagen Golf?

A situação está realmente feia. De janeiro a abril de 2011, foram emplacadas 564 unidades do Cielo, contra 13.051 do i30, 8.495 do Focus, 7.300 do Astra, 5.684 do Golf, 3.777 do C4, 3.096 do Tiida, 3.016 do Bravo, 2.936 do 307 e 2.602 do Vectra GT.

Chery QQ

As concessionárias da Chery no Brasil já estavam aceitando pedidos pelo QQ (pronuncia-se “quê quê” segundo a marca e “quiu quiu” de acordo com a Quatro Rodas) desde o começo do ano. Mas só agora eles chega às lojas custando R$ 22.900. Como oferece, de série, ar-condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, CD player, airbag duplo, sistema ABS nos freios e sensor de estacionamento, sem dúvida o QQ tem um dos melhores custo/benefício do mercado nacional. Sob o capô, o QQ tem motor Acteco 1.1 16V a gasolina, que desenvolve  68 cv de potência e 9,1 mkgf de torque a 3.500 rpm.

É um conjunto realmente atraente. Mas será que vai dar certo? Embora seja chinês, o visual do QQ lembra o de um desenho japonês – estilo Pokemon. Não acho feio, mas não me agrada muito.

Com o QQ, a Chery passa a ter um trio interessante para o mercado brasileiro, completado pelo Cielo e pelo Face – sem contar o jipinho Tiggo, que vende cerca de 300 carros por mês. Resta saber se o consumidor brasileiro vai “consumir” (com o perdão do trocadilho) os carros. O Cielo está passando aperto. O Face emplacou 1.493 unidades de janeiro a abril de 2011 (373 unidades em média por mês). E o que podemos esperar do QQ?

Qual é o melhor carro chinês vendido no Brasil?

Jac J3 – 41 votos (37%)
Chery Cielo – 31 (28%)
Lifan 620 – 13 (11%)
Chery Tiggo – 10 (9%)
Outro – 10 (9%)
Chery Face – 3 (2%)
Chery QQ – 1 (0%)
Lifan 320 – 1 (0%)
Effa M100 – 0 (0%)
Total: 110 votos

Pergunto: será que vale a pena comprar um chinês? 

Reconheço que as marcas e os carros chineses estão cada vez mais fortes e preparados no Brasil. Mas eu ainda não compraria. Prefiro esperar mais um tempo até as marcas terem mais infraestrutura de pós-venda (peças e mão de obra organizada e qualificada). Isso deve acontecer já num futuro próximo. E não custa lembrar aos chineses: onde estão os motores flex? Pós-venda estruturado e motorização bicombustível farão muita diferença na revenda.

Fica a dica para os chineses: investir em segurança (ABS e airbag duplo são bons, mas passar nos crash tests é mais importante ainda).

E você, compraria um chinês? O que achou dos mais recentes lançamentos, como o J3 e o QQ?

(fotos: Chery/Divulgação e Jac/Divulgação)

Comentários (23)

  1. Particularmente vejo esses carros chineses com desconfiança. Foram modelos reprovados em países exigentes ao contrário do nosso. O conjunto oferecido realmente é muito bom comparado a outras montadoras, porém pecam em muitos quesitos sobretudo na segurança. Também prefiro esperar por um tempo até estas marcas mostrarem a que veio!!

  2. Acho que deveria ser feita outra pergunta: Alguem compraria um chines usado?
    Acredito que a depreciaçao desses carros seja alta, portanto eu nao compraria.

  3. Realmente Terry, comprar um chinês usado não passa na cabeça de quase ninguém hoje em dia.

    Quem comprar deve saber que estará pagando um preço mais baixo do que a média geral do segmento mas que, na hora de se desfazer do carro, estará vendendo, muito provavelmente, por um preço mais baixo do que os dos concorrentes diretos.

  4. A médio prazo (4 a 6 anos) os chineses estarão em pé de igualdade com os japoneses e coreanos.

    Enquanto isso, nossos tupiniquins…

  5. Não compraria um “carro” chinês por agora esperaria uns 10 anos para ver se adquiria um sedã chinês, os “carros” chineses assim como os demais importados tem a dificuldade de manter peças em estoques, eles os chineses não entram nem em salões de automóveis da Europa e USA (nem as nossas carroças),devido as rígidas normas de qualidade destes países.
    Como temos Gol, Unos, Kombi e algumas carroças eles até que são bem vindos pois não exigimos qualidade, vem com ABS?, AIRBAG?, VIDROS ELÉTRICOS?, SENSOR DE RÉ?, AR CONDICIONADO?, sendo barato não importa a qualidade ou confiabilidade, queremos mais concorrência para aplacar a insana vontade das 4 grandes de lucrarem seja como for.

  6. Eu não compro. O que adianta ter tantos acessorios se eles nao funcionam direto. Não adianta ter tantos equipamentos se nao sao confiaveis. Porcaria por porcaria, prefiro os nacionais, pelo menos tem peças de reposiçao.

  7. Comprei um Lifan 620, neste mês de junho, com 5.300 km. Fiz duas viagens 200 km cada. Quem procura esportividade e exagero de estabilidade, compre outro carro, pois este 620 tem suspensão macia, espaçoso, econômico, fazendo cidade/estrada 12,3 km/l, com ar e a 110 km, na estrada. Enfim, é um bom carro para a família, pela quantidade de equipamentos de série, principalmente segurança: airbag duplo, ABS+EBD, disco nas 4 rodas de 15 polegadas, liga leve. O som é muito bacana, “pesado”, e com controle no volante. Pelo que paguei (seminovo) estou muito satisfeito, mesmo com o pequeno barulho do motor e da suspensão, que, apesar da maioria nem notar, eu vou, quando tiver tempo, verificar e corrigir, porque sou muito enjoado para ruido. É um carro honesto: no preço e no que ofereçe. Dei o troco nas 4 grandes que sempre me exploraram.

  8. Eu compraria com certeza!Tem quem compra essas porras nacionais e peladas mais caro achando um grande negocio.Por isso que as nacionais cobram caroooooo de ++++ nas porcarias que vendem pra nós.Temos que abrir a cabeça para coisas novas pra naum ficarmos na mesmice de sempre e enchendo o bolso dos fdpssss.Obrigado!

  9. Eu compraria e compro, rsrs eu ja tenho um cielo q alem de ser lindoooo e super economico tem todos os itens de segurança alem de ser super confortavel, eu comprei completo eqnto q por esse preço compraria uma marca bem conhecida pelado completamente sem nada,pode ser da china mas bate um bolão, relamente muito safisfeito com esse investimento….

  10. Estou querendo comprar um chinês pra mim, penso em comprar um J3, mas eu ainda estou inseguro em relação a manutenção dele, alguém tem algo a comentar?

  11. Um amigo meu tem um Tiggo. Nunca deu problema, é bem mais econômico que as outras SUV e tem preço de revisão fixo. To vendo um monte de gente de BH comentando que não compraria e tal…. talvez eles prefiram comprar uno prata 4 portas pelado… por causa do mercado “cérebro engessado” de BH. Obs. – o resto de MG é diferente.

  12. Stella, tenho um qq que ta com 1400km, o carro ainda nao deu dor de cabeça. uns barulhinhos suaves de de plastico rancendo de vez enquando quando vira a direção mas que a CSS diz que se corrige . como tem a revisao dos 2500 em breve , nao fui la ver , o carro ta fazendo 14,3 km na cidade, minha esposa ta satisfeita, e o risco é relativamente baixo pelo preço. eu , pessoalmente queria uma SUV e tava pensando no tiggo. vejo muita gente falando bem e muita gente falando mal, dos que falam mal as reclamações de “perfumaria”eu ignoro pois se está pagando 15000 a maenos que un concorrente , nao se pode esperar milagre e acabamento. queria saber se alguém ja bateu um carro desses e o air bag abriu, isso seria um indício mais consistente nos pors e contras. tava quase fechando o negocio do tiggo mas colocar 23000 num carro é uma coisa , colocar 55000 é outra bem diferente.
    Quanto ao QQ eu recomento, mas pra cielo, face e tiggo… nos do meio tem muita briga e embora o tiggo leve uma grande vantagem de preço o investimento passa a ser muito alto.

  13. Veja pessoa! Na verdade, independente de marca, país de origem e afins, o importante é saber que carro NÃO É INVESTIMENTO! Se você pensa em comprar um carro, faça os seguintes critérios, depois você “SOMA TUDO” e divide por 2:
    – NIVEL DE SEGURANÇA;
    – PREÇO DO SEGURO;
    – ECONOMIA EM COMBUSTÍVEL E PEÇAS;
    – GARANTIA (LER CONTRATO ANTES);
    – PEÇAS DE REPOSIÇÃO;
    Bom! Resumindo, não corram atrás de ETIQUETAS (NIKE, OLK, etc), veja se tal veículo atendem suas necessidades e, não adquiram um veículo pensando em vendê-lo. Façam test-drive em todos carros do interesse e avaliem com calma, estudem a proposta, pesquisem.

  14. IOCELIO ES.
    Olá eu tenho um Tiggo. O carro e muito bom. estou super saisfeito com ele me carro já esta com 13000km e já fis vária viagens com ele. Vi muito carro de marca nacional na estrada quebrado e carro novo.

  15. Estou comprando um Tiggo esta semana, e não vem falar que é pessimo pq pessimo esta os das marcas nacionais, de caroooo.. por tanto pq não dar uma oportunidade? eu vou dar..achei lindo! preço otimo perto de muitos..se quebrar , quebrou..pasciencia..

  16. Estou no meu segundo jac5 ,tive um 2012 e ano passado comprei um 2015 modelo 2016. O carro é bom,nunca fiquei no prego por panes e ele é muito melhor do que essas carroças nacionais que vendem na mesma faixa de preço. O carro não é flex…mas qual a vantagem de ter um flex se a diferença do álcool para a gasolina é mínima e nem vale a pena abastecer com álcool. Não é hidramático..mas prefiro cambio manual,pois é enfadonho dirigir um carro hidramático na minha opinião. é uma pena que a maioria dos brasileiros não saibam comparar antes de comprar pois pagam mais num carro nacional e levam menos do que se comprassem um carro da JAC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *