Ferrari “voa” em Paris a 240 km/h

Ferrari-275-GBT-Paris-France-Claude-Lelouch

Reprodução de Luxurydoor

Oi pessoal. Reproduzo abaixo o interessante post do jornalista Ricardo Noblat, colunista do jornal O Globo. Vale pela a leitura e principalmente pelo vídeo.


“Em agosto de 1976, o cineasta francês Claude Lelouch adaptou uma câmera giroscopicamente estabilizada na frente de um Ferrari 275 GTB e convidou um amigo piloto profissional de Fórmula 1, para fazer um trajeto no coração de Paris, na maior velocidade que pudesse.

A hora seria logo que o dia clareasse.

O filme só dava para 10 minutos e o trajeto seria de Porte Dauphine, através do Louvre até a Basílica de SacreCoeur. Lelouch não conseguiu permissão para interditar nenhuma rua no perigoso trajeto a ser percorrido.

O piloto completou o circuito em 9 minutos, chegando a 224 km por hora em certos momentos. O filme o carro furando sinais vermelhos, quase atropelando pedestres, espantando pombos e entrando em ruas de sentido único. O sol nem havia saído ainda.

O piloto teria sido René Arnoux ou Jean-Pierre Jarier?

Quando mostrou o filme em público pela primeira vez, Claude Lelouch foi preso. Mas ele nunca revelou o nome do piloto de fórmula 1 que pilotou a máquina e o filme foi proibido, passando a circular mais tarde na internet.”

Fonte: Blog do Noblat – 14/08/2011

Atualização
O vídeo original foi removido, infelizmente. Eu o substituí por uma entrevista de Claude Lelouch.

Comentários (9)

  1. A Mercedes 450 SEL 6.9 mandou bem. Mas o que esse cara fez no trânsito urbano foi loucura. Mesmo ao amanhecer, quase entrou com lixo e tudo no caminhão de limpeza pública. Neste dia aí deu tudo certo, mas vai que acontece igual no Brasil em que um Porsche atropelou uma Tucson, no cruzamento das ruas Tabapuã e e Bandeira Paulista, no Itaim Bibi (zona oeste de SP).

    Quer correr vai para o circuito, racha no autódromo. Vai fazer um curso de pilotagem da AUDI por R$ 3.500 a bordo de um TTS ou R8.

    Para fazer isso na rua é assumir o risco de morrer e principalmente de matar outros que não tem nada a ver com a sua “corrida de diversão”.

    • Loucuras da Nouvelle Vague. Naquele tempo infração de transito não era crime. Ele nunca mostrou o carro que fez a proesa, acredito ser um carro fake da policia com giroflex e depois editado o som.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *