Peugeot 308 é o restart da marca no Brasil

Se o 408 falhou ao dar início à nova fase da marca no Brasil, o novo Peugeot 308 tem tudo para fazer isso. O carro é bonito, bem equipado, moderno e com preços interessantes – pronto para dar o restart da marca por aqui. Se não bastasse, ele é o primeiro hatch médio flex do pais que não tem tanquinho de partida a frio (1.6).

O primeiro detalhe que chama a atenção no 308 é o seu visual. As linhas agradam, especialmente a dianteira, que já adota as mudanças visuais aplicadas na Europa em 2011. O 308 é uma bela evolução em relação ao 307. Destaque para as luzes diurnas de leds, que equipam a versão topo de linha. Na traseira, eu diminuiria o tamanho ou até retiraria as falsas saídas de escapamento que, como o Fiat Stilo, valorizam o “parecer ter” (um esportivo).

O Peugeot 308 pode ser encontrado com duas opções de motor, 1.6 e 2.0, duas opções de câmbio, manual de cinco marchas e (o ultrapassado) automático de quatro velocidades, e três versões de acabamento: Active, Allure e Feline – com preços que variam de R$ 53.990 e (caros) R$ 70.990.

Por dentro, o a sensação de qualidade é o grande ponto alto. O painel vem do 408 e o acabamento é muito bom, não importando a versão. O espaço também agrada (dentro do esperado para a categoria). O porta-malas tem 348 litros de capacidade VDA, medida usada por todas as montadoras, menos a Peugeot-Citroën.

As versões Active e Allure podem ser equipadas com o novo motor 1.6 16V flex. Chamado de EC5, ele é o mais potente do país, superando os ainda novos E.TorQ, da Fiat, e Sigma, da Ford. O propulsor da Peugeot desenvolve 115 cv de potência a 5.800 rpm e 15,5 mkgf de torque a 4.000 rpm com gasolina e 122 cv a 6.000 rpm e 16,4 mkgf com etanol a 4.000. O 307 1.6 16V desenvolvia 110 cv a 5.600 rpm e 14,2 mkgf a 4.000 rpm com gasolina e 113 cv e 15,5 mkgf com etanol (nas mesmas rotações).

Entre as modernidades da motorização 1.6 16V EC5, destaque para os não inéditos comando de válvulas variável (VVT – faz os tempos de abertura das válvulas e o fluxo de ar e combustível variarem de acordo com a necessidade o que melhora o desempenho em diferentes regimes de rotação e ajuda a reduzir o consumo) e Flex Start, que fez a sua estréia no Brasil com o Volkswagen Polo E-Flex, que elimina o tanquinho de partida a frio. Desenvolvido pela Bosch, o sistema começa a funcionar assim que a porta do motorista é aberta, esquentando o etanol, reduzindo ou eliminando o tempo de espera de 6 segundos quando a temperatura é de 5 °C.

O que é realmente novo em um motor produzido no Brasil (o EC5 é feito em Resende/RJ), segundo a Peugeot, é a boma de óleo variável, que ajusta automaticamente o fluxo de óleo enviado de acordo com a rotação do motor e a carga. Como resultado, o motor absorve menos energia e, com isso, fica mais econômico. Este equipamento permite uma economia de combustível de 1%.

Desempenho

Transformando os dados e números em algo prático, o desempenho do 308 1.6 16V está dentro do esperado. Ele não surpreende, mas agrada. Mesmo com as soluções “variáveis”, falta um pouco de força em baixas rotações, mas nada que incomode muito, principalmente pela boa relação de marchas do câmbio manual de cinco velocidades. Mas, passando de 3.500 rpm, o motor acorda e vai bem até 6.000 rpm.

Mas o desempenho poderia ser ainda melhor se o 308 não fosse “gordinho”: 1.318 kg (Active), 1.320 (Allure 1.6), 1.328 kg (Allure 2.0), 1.354 kg (Allure 2.0 automático) e 1.387 kg (Feline). Assim como Ford Focus, Fiat Bravo e o irmão 408, os quilinhos extras fazem a diferença.

Assim como o 307, o 308 tem comportamento previsível e seguro. A Peugeot ajustou a direção eletro-hidráulica do novo para que ela ficasse mais pesada, mas com respostas imediatas. Para quem gosta desse tipo de ajuste, como eu, o 308 vai agradar bastante. Finalizando, o nível interno de ruídos é baixo, o que também agradou.

O motor 2.0 16V flex já é velho conhecido dos brasileiros. Ele desenvolve 143 cv de potência a 6.250 rpm e 20 mkgf de torque a 4.000 rpm com gasolina e 151 cv a 6.000 rpm e 22 mkgf a 4.000 rpm com e etanol.

Na minha opinião, a melhor versão do 308 é a Allure 2.0 16V manual. Além dos detalhes de conforto comentados acima e da lista de equipamentos descrita abaixo, o carro tem excelente desempenho.

O grande problema do 308 2.0 é a transmissão automática, que fica devendo em agilidade. As limitadas quatro marchas deixam o carro preso, sacrificando desempenho e consumo. É o mesmo conjunto motor/câmbio do sedã 408.

Peugeot 308 1.6 16V

Potência: 115/122 cv (g/e) a 5.800/6.000 rpm
Torque: 15,5/16,4 mkgf (g/e) a 4.000 rpm
Comprimento: 4,276 m
Largura: 1,815 m
Altura: 1,498 m
Entre-eixos: 2,608 m
Porta-malas: 348 litros (VDA)
Tanque: 60 litros
Peso: 1.318 kg (Active); 1.320 (Allure)

Peugeot 308 2.0 16V

Potência: 143/151 cv (g/e) a 6.250/6.000 rpm
Torque: 20/22 mkgf (g/e) a 4.000 rpm
Comprimento: 4,276 m
Largura: 1,815 m
Altura: 1,498 m
Entre-eixos: 2,608 m
Porta-malas: 348 litros (VDA)
Tanque: 60 litros
Peso:1.328 kg (Allure); 1.354 kg (Allure automático) e 1.387 kg (Feline)

Equipamentos

Desde a versão de entrada Active 1.6, o hatch conta com ajustes de altura do banco do motorista, coluna de direção com regulagem de altura e profundidade e com comando do rádio, direção com assistência eletro-hidráulica, computador de bordo, rodas de liga leve de 16 polegadas, volante revestido em couro, retrovisores externos elétricos, vidros elétricos sequenciais com sistema anti-esmagamento e porta-luvas refrigerado e iluminado,airbag duplo, freio a disco nas quatro rodas com ABS, entre outros.

Os destaques entre os equipamentos ficam por conta do teto panorâmico de vidro chamado Cielo, que tem 0,86 m² e que não abre (de série no Feline e opcional nos dois Allure 2.0); luzes diurnas de LEDs, como adiantei acima (só na versão Feline); e o navegador GPS (WIP NAV) com tela central de 7″. escamoteável elétrica, item opcional apenas para o Feline, mas que deveria ser opcional desde a Active.

308 Active 1.6 (R$ 53.990)

. Ar-condicionado;
. Direção eletro-hidráulica;
. Airbag duplo frontal;
. Freios ABS com REF e AFU;
. Computador de bordo;
. Para-brisa acústico;
. Banco do motorista com regulagem de altura;
. Volante em couro com regulagem de altura e profundidade;
. Vidros elétricos dianteiros e traseiros seqüenciais e com anti-esmagamento;
. Retrovisores elétricos;
. Travamento elétrico centralizado das portas;
. WIP Sound Rádio CD Player MP3;
. Comando do rádio na coluna de direção;
. Roda em liga leve de16 polegadas;
. Porta-luvas refrigerado.

308 Allure 1.6 (R$ 56.990)

. Ar-condicionado automático digital Bi-zone com saída de ar traseira;
. Faróis de neblina dianteiros;
. WIP Plug – Conexão USB para iPod/MP3 Player e entrada auxiliar;
. WIP Bluetooth: conexão Bluetooth para celular (kit mãos livres) e audio streaming;
. Acendimento automático dos faróis;
. Limpador do para-brisa automático;
. Grade do para-choque dianteiro com frisos cromados;
. Iluminação “lead me to the car” e “follow me home” (acendimento dos faróis por um tempo
determinado);
. Retrovisor interno eletrocrômico;
.Apoios de braço individuais nos bancos dianteiros.

 308 Allure 2.0 manual (R$ 59.990) e automático (R$ 63.990)

. Roda em liga leve de 17 polegadas;
. Regulador e limitador de velocidade;
. Painel de instrumentos de fundo branco (versão automática);
. Teto panorâmico de vidro CIELO como opcional.

308 Feline 2.0 (automático – R$ 70.990)

. Alarme;
. Bancos em couro;
. Teto panorâmico de vidro CIELO;
. Retrovisor externo rebatível eletricamente;
. Luzes diurnas em LED;
. Sensor de estacionamento traseiro;
. Dois airbags laterais (proteção do tórax dos ocupantes dianteiros);
. Dois airbags tipo cortina (proteção à cabeça dos passageiros dianteiros e traseiros);
. Controle de estabilidade (ESP) e de tração (ASR);
. Soleira em alumínio com inscrição PEUGEOT;
. Pedais em alumínio;
. WIP NAV com tela colorida retrátil (opcional).

Conclusão

Depois de algum tempo, finalmente a Peugeot tem um modelo com enorme potencial de sucesso no mercado brasileiro. A marca espera vende 12.000 unidades do 308 entre março e dezembro de 2012, números com os “pés no chão”. Se a marca trabalhasse na evolução do câmbio automático de quatro marchas (2.0), seu novo hatch médio entraria na lista dos veículos com poucos problemas.

Fica a expectativa agora para a chegada do 308 1.6 turbo. Esse sim deveria custar R$ 70.990, deixando o Feline com o prelo de R$ 67.990.

Sem dúvida, entre os hatches médios com motor 1.6, o 308 é um dos melhores. E você, o que acha?

(fotos: Peugeot/Divulgação)

Comentários (17)

  1. Apesar de toda a tecnologia embarcada, concordo em dizer que este modelo chegou tarde a este concorrido segmento. Mais uma vez a Peugeot dormiu no ponto.

  2. Não concordo Adriano. Veja o tempo que o Astra ficou no mercado. O Vectra GT morreu sem fazer barulho durante a vida. O que dizer então do Volkswagen Golf, que está fazendo bodas de ouro com a geração 4,5. O Tidda também já reza por mudanças, assim como o C4, que tem uma bela e nova geração na Europa.

    Resumindo, o 308 chegou um pouco tarde, mas ainda em tempo.

    E logo teremos a nova geração do i30 e do Focus, sem contar com o Cruze hatch.

  3. Acho que a peogeout vacilou muito em lançar o carro automático com apenas 4 marchas. A tendência é que com a renovação do focus, i30, c4 todos passem a ter câmbio automático de 6 marchas. E a peogeout continuará atrás. Já que é p/ lançar carro novo, traz logo o melhor que tem disponível. Poderiam também ter tirado essa versão active e abaixar entre 3 a 4 mil na versão allure, aí sim o carro ficariam muito bem posicionado. Desse jeito a marca continuará sendo mais uma figurante… A Hoggar que o diga.

  4. Estamos melhorando, sem dúvida. Faço coro com Pedro e Mariana: esse câmbio de 4 marchas é intragável.
    Mas sempre que eu vejo um carro moderno com preço convidativo (coisa rara), penso em quanto essas multinacionais já lucraram em cima do terceiro mundo. Ou isso é teoria da conspiração?

  5. Assim como eu disse do natimorto 408 que não decolaria, o 308 também vai morrer na praia pois é um Peugeot e por tabela é um francês e sendo francês…

    • Caro Dantas, tenho um 308 allure 2.0 mecânico completo e afirmo que os franceses sabem fazer carro assim como os italianos,alemães,japoneses e ingleses.
      dos modelos 2.0 que temos hoje no mercado com certeza o Peugeot é o melhor de todos pois vem com mais acessórios, é o mais bonito de todos e é o mais potente,dá 213km de final com álcool,ele atropela cruze,focus,lancer,corolla,civic,golf,etc…..
      e por dentro parece uma obra de arte de tão bonito que é.
      francês é francês amigão!
      aonde eu passo todos ficam olhando admirando a belezura!

  6. Caro Renato Dantas,

    Tenho um japonês legítimo na garagem. Modelo global da Mitsubishi, um ótimo carro. E, também, tenho um francês.

    A aquisição desse japonês, tido por muitos como uma referência, só aumentou a admiração que tenho pelo 307, pois pude comparar meu carro com um modelo elogiado pela imprensa.

    Se você estivesse se referindo a carros premium alemães, eu daria toda razão. Mas os japoneses tem lá seus problemas também.

  7. Na verdade o carro ficou perfeito. falar do cambio ultrapassado é coisa de concorrente para botar defeito no carro. mas não é verdade. pra começar no brasil não precisamos de carros com 6 marchas., não temos condiçoes e nem podemos correr aqui. outra coisa é que o cambio automatico da peugeot/porshe foi modificado e é mais leve em mudanças de marcha e tem respostas mais macias e diretas. e ainda tem a função SPORT que quando acionada o carro estica muito mais as marchas, mas apesar de gastar um pouco mais de combustivel é uma opção boa. e ainda tem a parte mecanica tiptronic que só de dar um toquinho no cambio ele avança ou recua a marcha. então essa historia de cambio ultrapassado é lenda de concorrentes para querer desanimar o comprador. mas quando verem o carro nas ruas vão ver que ele é muito superior a qualquer outro da categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *