Recém-inaugurada, fábrica da Hyundai enfrenta primeira greve

Há poucos dias, a Hyundai inaugurou oficialmente a sua fábrica em Piracicaba (SP) demonstrando otimismo, já que a procura pelo HB20 está altíssima. Na ocasião, a marca coreana disse que já pretendia ampliar a sua planta no Brasil para atender à alta demanda do pelo seu compacto.

Mas, numa “manobra” que vem sendo especulada há algum tempo, quase todos os funcionários da fábrica entraram em greve, comprometendo as entregas, ainda previstas para fevereiro. E agora Hyundai? O jeito é entrar rápido em acordo com os colaboradores para não perder o excelente momento do HB20.

Abaixo, leia mais sobre o assunto na matéria do Estadão.

Recém-inaugurada, fábrica da Hyundai enfrenta primeira greve
A fábrica da montadora coreana Hyundai em Piracicaba, no interior de São Paulo, enfrenta sua primeira greve. Em operação desde 20 de setembro, mas inaugurada oficialmente na sexta-feira, a empresa teve a linha de montagem totalmente paralisada ontem, num momento em que tenta ampliar a produção do compacto HB20, que tem fila de espera até fevereiro.

Os cerca de mil funcionários do primeiro turno da produção, que começaria às 6 horas da manhã de ontem, não entraram para trabalhar, após assembleia que recusou a proposta da empresa de piso salarial de R$ 1,6 mil. O mesmo ocorreu com os 800 trabalhadores do segundo turno, que teria início às 17h. Hoje, uma assembleia pela manhã analisará possível nova proposta da empresa para decidir se os trabalhadores mantêm a greve.

O salário médio pago na fábrica atualmente é de R$ 1,2 mil. “Estamos negociando desde abril e agora os trabalhadores querem um piso maior, de R$ 1,8 mil”, diz Hugo Liva Junior, tesoureiro do Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba.

Fábrica da Hyundai em Piracicaba (SP) – Fotos: Hyundai/Divulgação

Segundo Liva, em agosto os sindicalistas pediam piso de R$ 1,6 mil, equivalente ao pago nas outras duas montadoras da região (Honda e Toyota), mas como os funcionários dessas fábricas tiveram data-base em setembro, seus salários foram reajustados para R$ 1,7 mil a R$ 1,8 mil.

Para os funcionários da Hyundai, a data-base é novembro. Os cerca de 3 mil trabalhadores das empresas de autopeças instaladas ao redor da fábrica já negociaram a data-base – piso médio de R$ 1,2 mil – e não participam da greve.

Fila
A fábrica produz 34 veículos por hora, pouco mais de 600 por dia. A Hyundai tem meta de fabricar 26 mil veículos até dezembro, mas tem cerca de 50 mil unidades encomendadas pelos concessionários. O consumidor que tenta comprar um HB20 hoje tem de esperar no mínimo até fevereiro. O gerente de Relações Públicas e Imprensa da Hyundai, Maurício Jordão, afirma que a empresa ficou surpresa com a paralisação, já que as partes estavam em processo de negociação. “A empresa avalia a possibilidade de apresentar uma nova proposta e espera o fim da greve para amanhã (hoje).”

Segundo ele, a empresa se propôs a reajustar os salários em 8,1% neste mês, em 5% daqui a seis meses, mais 5% em 12 meses e mais 5% em um ano e meio. “Essa proposta foi aceita pelo sindicato, mas rejeitada em assembleia.” Jordão afirma que a Hyundai vai recuperar a produção perdida nas próximas semanas, provavelmente com horas extras.

Liva ressalta que, além do piso salarial, o sindicato negocia a redução da jornada de 44 para 40 horas semanais e Participação nos Lucros e Resultados (PLR). “A empresa já falou em R$ 10 mil para 2013, mas não aceitamos”, disse o tesoureiro do Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba. Outro tema que, segundo ele, está no Ministério do Trabalho é o assédio moral que os funcionários estariam sofrendo na fábrica. “Os coreanos não conseguem trabalhar com a nossa cultura”, diz.

Fonte: Estadão
Texto: Cleide Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *