Alta Roda – Citroën C4 Lounge: Busca de qualidade percebida

Citroen-C4-Lounge-Sedan-Brasil-flex

Segundo segmento mais importante em vendas (na Europa, é o primeiro), o dos médios compactos apresenta acomodação em sua participação no mercado brasileiro, por volta de pouco menos de 10%. Nessa faixa está a menor defasagem tecnológica em relação ao que se oferece nos países de alto poder aquisitivo. Segmentações superiores são 100% dominadas por importados.

Há outra diferença em relação aos europeus. Lá, preferem quase exclusivamente os hatches. Aqui os sedãs subiram rapidamente na preferência. Nos últimos quatro anos passaram de 38% para 50% das vendas, com tendência a subir. E a concorrência é bastante acirrada entre 10 modelos. Mais recente é o Citroën C4 Lounge, sucessor do Pallas, que chega seis anos depois. Em geral as gerações se sucedem a cada sete anos ou se antecipam, quando há perda de interesse dos compradores. Versão hatch do C4 ficou para final de 2014, a fim de alinhá-lo ao modelo francês.

Produzido em El Palomar, Argentina, na mesma linha do Peugeot 408, o C4 Lounge encolheu 16 cm no comprimento, porém ficou 2 cm mais largo e manteve a ótima distância entre eixos de 2,71 m. Embora o volume do porta-malas tenha diminuído em 12% para 450 litros, o espaço interno se destaca. Exigência do mercado chinês, onde já está à venda (aqui a partir de 23 de setembro), o encosto do banco traseiro tem 29 graus de inclinação (3° a mais). Elevou o nível de conforto, nitidamente sentido quando se viaja em distâncias maiores, como na região de Mendoza, no país vizinho, onde foi o lançamento.

Aspecto geral do sedã melhorou bem e, interessante, parece menor que as suas dimensões externas indicam, uma tendência estilística. Há vincos discretos na carroceria e cuidados como redesenhar o spoiler dianteiro para evitar raspar em desníveis.

Painel com plástico macio foi uma das apostas da marca para melhorar a qualidade percebida pelo cliente, algo que os fabricantes têm dado prioridade, em especial acima de R$ 60.000. Versão de topo Exclusive vem com tela multimídia (não tátil) de 7 pol., navegador GPS, sensor de ponto cego (exclusividade entre modelos produzidos no Mercosul), câmera traseira e quadro de instrumentos personalizável. Nas laterais de portas, ainda de plástico duro, mas de boa textura, região dos puxadores é revestida. Atrás, além do ótimo espaço para cabeça e pernas, é possível encaixar os pés sob os bancos dianteiros, mas o debrum raspa nos sapatos.

Além do motor tradicional flex de 4 cilindros, 2-litros, bloco de alumínio, 151 cv (etanol), está disponível na opção mais cara o instigante 1,6-litro turbo de 165 cv e 24,5 kgf∙m a apenas 1.400 rpm, torque mantido até 4.000 rpm. Nova caixa de câmbio automática (mais de dois terços das vendas) agora tem seis marchas e comportamento exemplar, melhor ainda no modo esportivo.

Silêncio de rodagem é um dos destaques do carro, ajudado pelo uso do para-brisa acústico (ainda sem a desejável faixa degradê) e capricho nas guarnições de borracha das portas. Trabalho benfeito nas suspensões resultou boa firmeza, sem descuidar da filtragem de vibrações e ruídos.

Preços vão de R$ 59.990 a R$ 81.290, em três possibilidades de acabamento: Origine, Tendance e Exclusive.

RODA VIVA

MUDANÇA de planos da Nissan. Monovolume Note não será mais produzido no Brasil e sim importado do México. Esta subsidiária perderá exportações do March/Versa em 2014 e deve ter reclamado. Em Resende (RJ), início de produção do March certo para janeiro, versão básica em junho e sedã Versa, em setembro. Vendas sempre dois meses depois.

TURMA que comparava preços dos carros brasileiros aos do exterior de repente ficou muda. Dólar em R$ 2,40 e euro a R$ 3,20, farra acabou. Em relação à Europa preços nominais estão alinhados em reais, ou melhor, mais baratos aqui, ao descontar a carga fiscal. Não é para comemorar, pois custos aqui continuam nos píncaros. Apenas lamentar tanta tolice dita e escrita.

FOX BlueMotion entrega o esperado em economia de combustível, no uso dia a dia. Motor de 1 litro, de inéditos 3 cilindros (entre os produzidos aqui) e potência de 80 cv economiza em média 15% em cidade/estrada (etanol), se comparado ao de 4 cilindros. Mesmo com relações de câmbio longas, não é lento demais em estrada e boa surpresa ao abastecer.

SEGUNDO a 3M, que lançou no mundo primeiras películas para vidros de veículos há mais de 15 anos, diminuição da temperatura do habitáculo nada tem a ver com cor escura. Há necessidade de um filme específico, mais caro e este pode ser todo transparente. No mercado, quanto mais escuro melhor, em desacordo com a lei e o bom senso.

ALEMANHA tem várias empresas independentes, famosas no mundo, voltadas a melhorar desempenho e aparência de automóveis comuns e até mesmo de carros esporte. No início focadas apenas nos modelos alemães, dedicam-se também a outras marcas. Uma delas, Arden, é especialista em veículos ingleses Bentley, Jaguar, Mini e Range Rover (a conferir em www.arden.de).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *