Alta Roda – Banguela moderna

Bosch coasting-consumo-fuel-combustivel-gasolina-etanol-diesel

Um velho ditado popular – A Necessidade Faz a Ocasião – se aplica ao mundo automobilístico. Se a prioridade é economizar combustível e diminuir a emissão de gases que aquecem a atmosfera (no caso de combustíveis de origem fóssil), nada mais natural que recursos financeiros e inteligência se juntem.

Esse esforço incluiu automatizar recursos primários usados no passado, quando o motorista manualmente desligava o motor nos congestionamentos ou em longas paradas nos semáforos a fim de economizar combustível. Hoje, com reforço no motor de partida e ajuda eletrônica para monitorar a carga da bateria, muitos carros contam com sistema start-stop (desligar-ligar o motor).

Em seguida se antecipou o corte do motor, em geral abaixo de 20 km/h, quando o motorista tira o pé do acelerador para diminuir a velocidade antes de parar no semáforo, por exemplo. Parece economia de combustível muito pequena, mas no tráfego urbano não é nada desprezível.

Que tal, então, desligar o motor em descidas para economizar ainda mais? Essa manobra sempre foi condenada pelos riscos de segurança e considerada infração prevista no Código de Trânsito. No entanto, há algumas condições – pista plana ou descidas bem suaves – em que programas assumem a responsabilidade de desligar o motor, quando este se encontra em marcha lenta. Ele é religado instantaneamente, se o motorista tocar no pedal de acelerador ou de freio.

A “banguela” moderna e moderada tem nome apropriado em inglês, coasting, cuja tradução livre seria algo como velejar, planar ou rodar no embalo. Testes feitos pela Bosch apontaram que o motor funciona sem necessidade, em média, por cerca de um terço de sua jornada diária. Assim, por que não aproveitar benesses das leis de gravidade/inércia e economizar até 10% de combustível?

Entre as vantagens da combinação coasting e start-stop estão seu preço relativamente baixo e adaptação fácil aos motores a combustão atuais. Além de aproveitar sensores já existentes, poucos componentes precisam ser adicionados, em especial se o veículo está equipado com caixa de câmbio automática.

No caso do câmbio automatizado de duas embreagens – cuja aplicação cresce fortemente em vários mercados – fica ainda mais fácil. Nesse tipo de caixa, dependendo do projeto do fabricante do veículo, o gerenciamento eletrônico de bordo pode colocar o motor em marcha lenta, assim que o motorista levanta o pé do acelerador. Cabe, então, ao coasting a tarefa de desligar e ligar o motor, de acordo com parâmetros de segurança.

Esse sistema é mais eficiente do que os tradicionais, que cortam o fluxo de combustível ao se retirar o pé do acelerador, porque elimina momentaneamente o freio-motor. Dessa forma o veículo aproveita o embalo por uma distância maior e ganha em economia.

Em caixa de marchas manual o desacoplamento da embreagem se faz de forma eletrônica para que o coasting entre em ação somente quando possível.

Para conseguir mais 15% de economia ainda se pode combinar com recuperação da energia de frenagem, gerador/motor elétrico auxiliar mais potente (sistema 48 volts) e bateria compacta de íon de lítio.

Portanto, cortar o consumo em 25% está ao alcance, em função de muito esforço de pesquisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *