Compras, mecânica e engenharia geraram quase 3 bilhões em sinergia para Renault-Nissan

all-new-nissan-qashqai-novo

A Aliança Renault-Nissan registrou sinergias recorde em 2013, com um montante de 2,87 bilhões de euros contra 2,69 bilhões de euros em 2012. Com a Aliança se preparando para lançar seus primeiros veículos baseados na arquitetura compartilhada CMF, as principais fontes de sinergias geradas na Aliança estão concentradas em compras, mecânica e engenharia.

Em 2013, sinergias da ordem de 1.036 bilhão de euros foram geradas conjuntamente pela Renault-Nissan Purchasing Organization (Organização de Compras Renault-Nissan – RNPO). A engenharia de veículos, que diz respeito principalmente às plataformas e componentes comuns, contribuiu com 714 milhões de euros. Já os desenvolvimentos conjuntos e compartilhamento de sistemas mecânicos contribuíram com 525 milhões de euros.

As sinergias representam reduções de custos, gastos evitados e ganhos adicionais. A cada ano são consideradas apenas as novas sinergias e não o conjunto de sinergias geradas desde o início da colaboração. Com isso, Renault e Nissan têm mais condições de tentar alcançar seus objetivos de performance e tentar garantir a melhor relação qualidade/preço possível para seus clientes.

Segundo a aliança, a arquitetura modular CMF (Common Module Family) implementada entre as empresas francesa e japonesa é uma fonte de sinergias em constante progressão. A CMF permite que Renault e Nissan produzam uma ampla gama de veículos com peças e componentes comuns, ao mesmo tempo em que garantem um maior leque de opções aos clientes. A CMF se decompõe em três segmentos: CMF-A para veículos compactos, CMF-B para veículos intermediários e CMF-C/D para veículos maiores.

Em 2013 a Nissan comercializou seus primeiros veículos baseados na plataforma CMF C/D: o Rogue nos EUA em novembro e o X-Trail no Japão em dezembro. O Qashqai foi lançado no mercado europeu em fevereiro de 2014.

Na Renault, o primeiro modelo da plataforma CMF C/D será o sucessor do Espace, que será comercializado em 2015.

Em 2013, a Aliança a também iniciou o desenvolvimento dos primeiros veículos baseados na plataforma CMF-A, cuja produção iniciará em 2015 na fábrica da Renault-Nissan de Chennai, na Índia.

“No futuro, a arquitetura CMF deve confirmar seu papel de força motriz em matéria de sinergias, já que responderá por 70% de nossos veículos até 2020″, explica Christian Mardrus, Diretor da Renault-Nissan BV e Diretor Delegado na Presidência da Aliança.

A Aliança também realiza sinergias em mercados emergentes nas fábricas comuns Renault e Nissan. No ano passado, a Renault começou a vender o Duster no Reino Unido e na África do Sul. A versão com direção à direita é fabricada na Índia, na fábrica de Oragadam, próximo a Chennai. Com uma capacidade de produção de 400.000 veículos por ano, a produção da fábrica é compartilhada entre veículos Renault e Nissan.

Em 2013, a Nissan iniciou a comercialização do Almera, um sedan fabricado em Togliatti, na Rússia, em um complexo industrial compartilhado em parceria entre Renault e AVTOVAZ, a montadora número um do mercado russo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *