Alta Roda – Briga será muito boa

Honda-HR-V-Brasil-2016

Cenário raro em termos de lançamento no Brasil: três modelos estreiam ao longo de 30 dias para disputar o mesmo mercado de SUVs compactos, que os americanos também chamam de crossovers só por ter aspecto de utilitário porém com estrutura monobloco e mais baixos. Conceitualmente crossover é mais do que isso e o Honda HR-V “abre os trabalhos”, seguido nas próximas três semanas pelo Jeep Renegade e Peugeot 2008. Um degrau acima em porte, ainda em abril, estreará o chinês JAC T6.

O EcoSport criou, em fevereiro de 2003, o que seria considerado pouco mais que um nicho. Ideia nasceu no Brasil, cresceu em vendas de modo impressionante e o modelo da Ford só teria concorrente em outubro de 2011, Renault Duster. O mexicano Chevrolet Tracker surgiu em outubro de 2013 e enfrenta cota de importação.

Suzuki Jimny, de tração 4×4 temporária, não se enquadra exatamente no conceito. Chegou do Japão em 1998, saiu de mercado, mas em 2012 passou a ser fabricado aqui. O goiano Mitsubishi TR4, de 2002 (também diferenciado pela tração 4×4 não permanente) cumpriu papel modesto, mas já saiu de produção.

O HR-V pretende ser nova referência dentro desse segmento e deve incomodar bastante Ford, Renault, Jeep e Peugeot. Em relação ao líder EcoSport tem 5 cm a mais no comprimento, porém garante espaço interno maior pelos 9 cm extras de entre-eixos. Mesmo sendo 11 cm mais baixo que o pioneiro rival, só pessoas com mais de 1,85 m tocam de leve a cabeça no teto, porém há recurso de reclinar – pouco – o encosto do banco traseiro.

Estilo é marcante e harmônico sem estepe pendurado na porta de carga (ótimos 437 litros) e maçanetas traseiras ocultadas nas colunas traseiras. Na parte interna, quadro de instrumentos, volante pequeno diâmetro ajustável em dois planos e console central com a parte inferior vazada agradam. Como o ar-condicionado digital não é de duas zonas, a Honda criou uma discreta saída de ar tripla de fluxo diferenciado e regulável mais facilmente pelo passageiro.

Recurso inédito e de série entre os carros aqui produzidos, o freio de estacionamento elétrico acionado por botão a tem liberação automática ao se tocar o acelerador. No para-e-anda do trânsito é um recurso de extremo valor, quanto mais que 99% dos HR-V serão produzidos apenas com câmbio automático CVT de sete marchas virtuais. Compensa com folga a ausência de itens secundários, a exemplo do sensor de iluminação para acendimento dos faróis.

Honda-HR-V-2016-EX-traseira

A Honda fez um balanceamento de custos razoável entre as versões, a partir de R$ 69.900 (LX, de câmbio manual e rodas de aço, representará simbólico 1% das vendas, ou seja, só para constar). Intermediária EX custa R$ 80.400, sem GPS. A de topo, por R$ 88.700, tem GPS e inédita tela tátil (entre carros nacionais) que aceita movimentos de pinça com os dedos. Carros japoneses e alemães não são baratos e isso não vai mudar. Por acaso, dominam vendas no mundo…

Dinamicamente o HR-V vai muito bem, embora deva um pouco de potência para sua massa de 1.271 kg. A exemplo de todo câmbio CVT, quando se exige a fundo o motor, apresenta comportamento linear sem entusiasmo. Em acelerações normais é aceitável, inclusive pelo freio-motor e seleção manual de “marchas”.

O motor flex de 1,8 L (igual ao do Civic com câmbio automático convencional) entrega 139 cv/etanol e 140 cv/gasolina. Na prática não muda nada, mas é estranho no caso de motores aspirados (sem turbo). Fabricante atribui aos câmbios diferentes e à necessidade de conter consumo com etanol.

RODA VIVA

COTAÇÃO do dólar, que atingiu R$ 3,25 na semana passada (Anfavea previu R$ 3,10 para dezembro), muda de forma radical as tais comparações de preços alopradas feitas há menos de dois anos. A referência eram carros “idênticos” vendidos no exterior, em especial nos EUA, onde a carga de impostos é menos de um terço da brasileira. Muitos se revoltaram. Coluna voltará ao assunto em breve para pôr pingo nos is.

MINI passa a oferecer Cooper (R$ 105.950) e Cooper S (R$ 123.500) com quatro portas, de melhor acesso ao banco traseiro. Cresceu 16 cm no comprimento (7,2 cm no entre-eixos), mas largura mantida em 1,72 m não ajuda no conforto de quem vai atrás. Essencialmente, trata-se de carro de imagem para 2 adultos + 2 crianças. Motores turbo de 1,5 L (3-cilindros, 136 cv) e 2 L (192 cv), por ora só a gasolina.

MOTOR turbo dá nova vida ao redesenhado (no final de 2013) Lexus NX 200t, que chega ao Brasil a partir de R$ 216.300. Marca do Grupo Toyota (antes o menos entusiasmado com motores superalimentados) tem forte presença mercadológica nos EUA e se esforça para se tornar mais conhecida no Brasil. Seu estilo agrada bastante, acabamento é ótimo, salvo pormenores pouco visíveis.

CORREÇÃO. Ao contrário do Focus RS (320 cv), o hatch médio-compacto Honda Civic Type R (310 cv), citado na coluna da semana passada como uma das atrações do Salão de Genebra encerrado dia 15 último, tem tração apenas dianteira e não nas quatro rodas como seu rival.

Comentários (5)

  1. Quanto ao pacote de equipamentos, justamente pela marca ser uma referência no mundo, é um absurdo o HR-V não vir com os sensores crepuscular e de chuva. Se são equipamentos tão “simples” assim, e equipam inclusive veículos de categoria inferior, por que não se encontram nesse veículo extremamente caro? Bola fora pra Honda!

    Já quanto ao motor, a Honda também perdeu a chance de oferecer algo novo, melhor. Esperem só pra ver o THP do 2008.

  2. Realmente a briga será boa. Resta avaliar os próximos lançamentos e seus respectivos custo benefício, para assim saber quem levará a melhor. Em nome de um ilusório “status social”, o brasileiro adotou este segmento não importando muito em pagar o valor (absurdo) cobrado pelas montadoras.

  3. Concordo, a briga vai ser muito boa. Tenho um EcoSport 2.0 e vou trocar no final de 2015. Estou de olho nestes lançamentos. O EcoSport é bom mas dificilmente vou trocar por outro.

  4. Na minha opinião os carros da Honda são bem caros e aspirados. O HRV não foge à regra, chega a vir com congele de tração, freio de mão eletrônico, mas não tem os sensores de chuva e crepuscular, até mais necessários comparados à uma tela tátil. Sem contar que minha cunhada comprou um City novo 2015, versão intermediária por mais de R$70 mil e não veio com protetor de cárter. um absurdo! Se duvidar, a HRV em sua versão de entrada também é bem capaz de não vir. Eu estou fora da Honda, tuve um New Fit 2013 automático, pra nunca mais na minha vida. O carro fazia 6,9km/l gasolina na cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *