Teste – Nissan March 1.0 SV: esse carro eu compraria

Nissan-March-SV-2016O Natal está chegando e, com ele, vários pedidos de presentes para o Papai Noel. Como faço todo ano, sempre peço um carro de uma realidade bem distante da minha, como os meus sonhados Maserati Quattroporte e Cadillac STS – meu desejo é quase sempre atendido com miniaturas ou no videogame, especialmente no jogo Forza Motorsport 6 do Xbox One.

Mas, como a economia do país passou 2015 com o freio de mão puxado, resolvi “pedir” um carro mais simples, urbano, compacto e, também importante pela época do ano, vermelho. E o meu pedido foi parcialmente atendido. Se eu não ganhei um veículo de presente, pude ficar com ele tempo suficiente para afirmar: Nissan March 1.0 SV: esse carro eu compraria.

Passei alguns dias com o March e, de maneira geral, fiquei mais satisfeito do que a minha experiência com Versa 1.0 que ficou comigo por uma semana. Não me entenda mal. O sedã japonês fabricado no Rio de Janeiro também é um carro legal, mas o compacto se encaixou melhor no meu dia a dia, atendendo a praticamente todas as minhas necessidades sem dificuldades.

Nissan-March-2016-flex

Versão SV é a topo de linha do Nissan March 1.0

Depois de rodar no Sentra, no Versa e agora no March, repito algo que não tenho dúvidas: a Nissan nunca teve tantas boas opções de carros para o consumidor brasileiro, ao mesmo tempo, como tem hoje.

Motor: desempenho e consumo

Como aconteceu com o Versa, um dos meus principais interesses pelo March SV era o motor 1.0 12V de três cilindros, que fez a sua estreia no próprio compacto, em março. Batizado de HR10, o propulsor desenvolve 77 cv de potência e 10 kgfm de torque com gasolina e/ou etanol. Fazendo um pequeno comparativo, esses números são 3 cv superiores em relação à motorização 1.0 16V flex de quatro cilindros que já saiu de linha – o torque é o mesmo. 

O HR10 se casou melhor com o March do que com o Versa, muito por causa dos cerca de 106 kg a menos do hatch. O motor tem o mesmo ronco grave do sedã, que considero legal, e foi ligeiramente menos ruidoso do que o seu “irmão com bunda”, embora eu ainda esperasse um nível de ruído mais baixo vindo de um propulsor moderno.

Nissan-March-SV-motor-1.0

Motor 1.0 12V tem três cilindros e 77 cv de potência

O March 1.0 é um veículo mais adequado para a cidade e isso ficou claro no dia a dia. Sua direção elétrica é leve, facilitando manobras, e o seu tamanho (3,827 m de comprimento) o faz caber em praticamente todas as vagas. Mas, como expliquei em relação ao Versa, é preciso se acostumar com o funcionamento do motor de três cilindros, que entrega um força interessante para o perímetro urbano em rotações médias.

Uma vez adaptado, você consegue explorar bem potencial do March, conseguindo conciliar desempenho e consumo. Rodando sempre com etanol, em Belo Horizonte, cidade que nunca vai colaborar com excelentes médias de consumo, o March 1.0 12V de três cilindros fez 8,4 km/l. Se o Inmetro mediu 8,8 km/l, considerei a minha média boa.

Nissan-March-SV-painel-consumo-1.0

Média de consumo do Nissan March SV 1.0 na cidade com etanol

Por outro lado, na estrada, faltou um pouco de desenvoltura ao compacto. Seu desempenho superou o do Versa, mas senti um pouco de falta de fôlego quando o carro estava com quatro pessoas, bagagem (não muita) e ar-condicionado ligado. Nessa hora, é necessário explorar bem o câmbio, que tem engates até bons, com exceção da primeira marcha, que temia em arranhar, especialmente com o automóvel em movimento, como, por exemplo, ao passarmos por um quebra-molas.

O March se mostrou estável e, em alguns momentos, até divertido de guiar na estrada – seria diversão pura se ele fosse 1.6 16V. Na hora de abastecer, fiquei muito satisfeito com o resultado: nos 45 km que gastei para ir até o ponto que uso como referência, média de surpreendentes 14,8 km/l com etanol, rodando a 80 km/h, sem trânsito, com vias mais planas e poucos aclives, com ar-condicionado ligado, duas pessoas a bordo, sem bagagem, explorando ao máximo as técnicas para o seu carro beber menos. Na volta, por outro caminho, agora numa estrada mais cheia e com mais subidas, também mantendo a velocidade de 80 km/h e ar-condicionado ligado, média de 12,5 km/l com etanol.

Confesso que fiquei mesmo surpreso, afinal, segundo o Inmetro, o March 1.0 tem média de 10,3 km/l com etanol na estrada. É importante dizer que as médias que consegui foram de acordo com o computador de bordo do veículo (em alguns casos, como o Fiat Uno, o computador de bordo sempre mostra uma média melhor do que a medição tradicional, da bomba). Ainda assim, foram números animadores.

Nissan-March-SV-2015-2016-retrovisor-eletricos

Botão de ajuste do retrovisor elétrico fica muito baixo e não tem luz

Espaço, comandos e ergonomia

Internamente, o Nissan March SV tem um acabamento bastante honesto e espaço dentro do esperado para a categoria – ideal para até quatro ocupantes. Alguns pontos precisam ser retrabalhados pela marca japonesa, especialmente para melhorar a ergonomia e o conforto. Um deles é a falta de ajuste de altura dos cintos de segurança dianteiros (ruim para as pessoas mais altas e mais baixas).

Outro ponto que precisa de evolução está na posição do botão de ajuste do retrovisor elétrico, que fica muito baixo, do lado esquerdo do painel, e que não tem luz (veja logo acima). Cinto de três pontos e apoio de cabeça para o passageiro central traseiro também seriam bem-vindos, assim como botão (ou alavanca) para abertura interna do porta-malas, ajuste de profundidade do volante e remanejar a posição dos ajustes de altura do banco e de inclinação do assento, que ficam com o acesso prejudicado pelo apoio de braço da porta do motorista. O painel de instrumentos é escuro, mas é fácil resolver o problema: basta ligar o farol.

Nissan-March-SV-2015-2016-painel

Painel é interessante, mas precisa evoluir em alguns aspectos

Assim como no Versa, outro ponto que precisa de melhoramento é o barulho do ventilador. Parece bobagem, mas pequenos refinamentos fazem a diferença na sua relação diária com um veículo. Pelo menos, diferente do sedã, o March SV tem iluminação no porta-malas (algo simples e prático), que tem 265 litros de capacidade, volume que poderia ser maior, mas que está dentro do esperado para um carro dessa categoria. Um aspecto positivo é que a tampa do porta-malas não tem fechadura, dificultando o arrombamento. Já o tanque de combustível comportar mais do que os 41 litros atuais – 45 l já melhoraria a autonomia do hatch.

Por outro lado, os comandos dos vidros elétricos estão bem localizados e os comandos no volante são bons e práticos, facilitando a vida do motorista.

O sistema de audio do March SV 1.0 funcionou bem, com entradas auxiliar e USB, CD Player, leitor de MP3/WMA e, como citado logo acima, comandos no volante. Mas, como no sedã, a qualidade das caixas de som poderia ser melhor e o visor do rádio um pouco maior, para facilitar uma assimilação mais rápida das informações.

Nissan-March-SV-2015-2016-porta-malas

Porta-malas do Nissan March tem 265 litros de capacidade

Equipamentos, preço e principais concorrentes

A lista de equipamentos também é boa. O Nissan March SV 1.0 vem, de série, com ar-condicionado, direção elétrica progressiva com regulagem de altura, computador de bordo, banco do motorista Comfort Seat com ajuste de altura, rodas de aço 14” com calotas integrais, airbag duplo, freios ABS com controle eletrônico de frenagem (EBD) e assistência de frenagem (BA), conta-giros, tampa de combustível com abertura interna (itens da versão S); vidros dianteiros e traseiros elétricos com função “one touch down” para o motorista, retrovisores externos na cor da carroceria (itens do pacote Pack Plus); rodas de liga leve 15″, CD Player MP3/RDS, entrada para iPod, USB e 4 alto-falantes, conexão Bluetooth de telefone (Viva Voz) e com suas músicas via Bluetooth Streaming, comandos de áudio e telefone no volante, aerofólio com brake light integrado, faróis de neblina dianteiros com acabamento cromado, revestimento dos bancos com acabamento SV (?), retrovisores externos com regulagem elétrica, vidros dianteiros e traseiros elétricos.

O preço sugerido do March SV (acabamento mais “requintado” com motor 1.0) é R$ 42.490. Fica clara a estratégia (acertada) da Nissan deixar o seu topo de linha 1.0 na mesma faixa das versões intermediárias dos concorrentes diretos, como vocês podem ver (entre parenteses os valores dos acabamentos mais “chiques”).

Nissan-March-2016O Ford Ka SE Plus 1.0 parte de R$ 43.990 (SEL, topo de linha, vale R$ 47.590); o Chevrolet Onix LT 1.0 vale R$ 42.590 (ou R$ 44.590 com todos os opcionais). O Fiat Palio Attractive 1.0, completo, tem preço sugerido de R$ 46.644. O Fiat Uno Attractive 1.0, completo, tem valor público sugerido de R$ 43.356. O Hyundai HB20 1.0 Comfort Plus custa R$ 42.595 (R$ 46.345 o Comfort Style). O Volkswagen Move up! 1.0 completo custa R$ 42.323 (R$ 47.508 o High up! 1.0 com o GPS de ventosa “Maps & More”). O Volkswagen Gol Comfortline 1.0 custa R$ 46.460 (com pacote Urban). O Volkswagen Fox Comfortline 1.0 parte de R$ 46.490 (R$ 52.563 completo). O Renault Sandero Expression 1.0, com o único opcional disponível, Techno Pack (sistema multimídia Media Nav Evolution com tela sensível ao toque de 7″ e sensor de estacionamento), tem valor sugerido de R$ 42.300.

Analisando de forma simples, March, Uno, Palio e Sandero têm os melhores preços, sendo que o Nissan e o Renault oferecem três anos de garantia de fábrica.

Nissan-March-SV-2015-2016Resumo da obra

As mudanças estéticas mais recentes aplicadas pela Nissan ainda estão atuais na briga com os adversários, pois o March ficou mais moderno e bonito, embora o modelo não seja um exemplo de belo design. Os pacotes especiais, criados pela marca, como o “Colors”, também servem para dar fôlego ao modelo.

Em linhas gerais, as qualidades do March 1.0 12V de três cilindros são ótimas e superam os defeitos do modelo (que podem ser quase todos resolvidos pela empresa sem a necessidade de investimentos absurdos). O modelo tem espaço interno, acabamento e desempenho honestos, cabe na maioria das vagas, foi econômico (especialmente na estrada) e, a sua versão topo de linha, SV, custa praticamente o mesmo que os concorrentes nos acabamentos intermediários, também com motor 1.0 (8V, 12V e 16V).

Mesmo sabendo que o bom velhinho não irá me dar uma unidade de presente nesse Natal, não tenho dúvidas de que eu compraria um Nissan March SV 1.0.