Novo Renault Captur 2018 chega com qualidades de protagonista do segmento de SUVs

Renault Captur 2018 Brasil

Renault Captur 2018 chega às concessionária no Brasil em março

Demorou, mas finalmente ele está quase entre nós (vendas em março). O novo Renault Captur 2018 chega com qualidades de protagonista do segmento de SUVs no Brasil e tem tudo para fazer sucesso. Mas a marca ainda tem espaço para fazer melhorias na sua novidade.

Eu e o Captur nos conhecemos em 2013, quando estive em Paris pela primeira vez na vida. Na ocasião, ele não “capturou os meus sonhos”, mas gostei muito do modelo, especialmente do visual. E essa minha percepção só ficou mais apurada agora.

Visual

Diferente do Duster, que se caracteriza pelo estilo mais quadrado, parrudo e robusto, o Captur de linhas bem mais inspiradas, com conjunto mais moderno e atraente – realmente bonito. Se você conhece os Renault Scenic e Clio europeus, vai se acostumar rápido com o novo SUV brasileiro.

A dianteira do Captur segue o padrão mundial da Renault e conta com luzes diurna em LED em formato de C. Na lateral, há um grafismo cromado na parte inferior das portas, acompanhando a linha de cintura elevada e dos para-lamas traseiro mais “musculosos” (especialmente o traseiro), além das rodas de 17’’, disponíveis com dois desenhos.

Renault Captur Intense 2018

Visual agrada. Na foto, Renault Captur Intense 2018

A traseira traz lanternas de LEDs, ponteira do escapamento cromada e um friso cromado de gosto duvidoso abaixo do porta-malas que percorre quase toda a extensão do para-choque. O conjunto é bonito, mas lanternas menos circulares seriam ainda mais atraentes (como no Scenic).

Como no Nissan Kicks, o teto pode ter cores diferentes do restante do carro, o que aumenta o charme (para quem gosta) e a exclusividade (embora possa atrapalhar na revenda). A carroceria do Captur pode ser preta, branca, marrom, laranja, marfim, vermelha, prata ou cinza, enquanto o teto pode ser preto ou marfim.

Visual do Renault Captur Intense

Linhas do Renault Captur são bem mais modernas do que as do Duster

Nacional e testado

Fabricado no Complexo Ayrton Senna, no Paraná, o Captur é fruto de um projeto mundial liderado pela Renault Tecnologia Américas (RTA), que tem o objetivo de desenvolver produtos voltados às necessidades e ao perfil do consumidor latino-americano.

O modelo rodou mais de 1 milhão de quilômetros apenas no Brasil. Por causa disso, foi possível desenvolver novas suspensão, carroceria e arquitetura eletrônica, entre outros aspectos, mais adaptados para o consumidor brasileiro.

Interior do Renault Captur Intense 2018

Detalhes do interior do Renault Captur Intense 2018

Por dentro

O Captur estreia um novo quadro de instrumentos, que não é inédito para mim, nem para os leitores do De 0 a 100, uma vez que é a cópia do quadro do modelo europeu.

Ele associa um velocímetro digital e displays em formato de meia-lua de cada lado. O computador de bordo digital é visualizado logo acima do conjunto. O interior ainda pode receber o acabamento em dois tons, dependendo da versão.

Interior e banco traseiro do Painel do Renault Captur Intense 2018

Espaço é bom, mas quem vai no meio atrás sofre com o túnel central alto. Na foto, Renault Captur Intense

Espaço

Mas, diferente do Captur vendido na Europa, o brasileiro é muito mais espaçoso, levando quatro pessoas com muito conforto. Poderia levar cinco muito bem se o passageiro central traseiro não sofresse com o túnel de vento alto, que rouba espaço para as pernas.

O porta-malas do novo Renault leva bons 437 litros e conta com boa área de acesso. Além disso, o modelo conta com 12 porta-objetos localizados nos painéis das portas, console central, painel de bordo e porta-luvas.

Confira as dimensões do Captur 2018 com os seus “irmãos”:

Renault Captur Europa  Renault Duster Renault Captur Brasil
 Comprimento  4,122 m 4,315 m 4,329 m
 Largura  1,778 m 1,822 m 1,813 m
 Altura  1,567 m 1,634 m (1,690 m com barras) 1,619 m
 Entre eixos  2,606 m 2,673 m 2,673 m
 Porta-malas 377 litros 475 litros (400 l no 4×4) 437 litros
 Tanque 45 litros 50 litros 50 litros

Fora de estrada leve

A Renault valoriza o fato do novo Renault Captur ter uma das maiores alturas em relação ao solo (21,2 cm) e “os melhores” ângulos de entrada (23º) e saída (31º) do segmento. Mas, na prática, essas virtudes só fazem uma grande diferença para quem usa o veículo em trilhas e caminhos off-road.

Para efeito comparativo, um Jeep Renegade Trailhawk, que quase sobe parede com seu motor 2.0 diesel e super tração 4×4, tem ângulo de entrada de 31,3º e de saída 33,3º. Um Renegade Sport 1.8 tem 20,4º de entrada e 29º de saída. Os números do Ford EcoSport são 25º e 35º, e do Nissan Kicks 20º e 28º, respectivamente.

Confira as dimensões do Captur 2018 com os seus principais adversários:

Nissan Kicks Honda HR-V Jeep Renegade Ford EcoSport Renault Duster Peugeot 2008 Chevrolet Tracker Renault Captur
Motor 1.6 16V 1.8 16V 1.8 16V 1.6 16V 1.6 16V 1.6 16V 1.4 16V turbo 1.6 16V
Potência (cv) 114 139/140 135/139 110/115 118/120 115/122 150/153 118/120
Torque (mkgf) 15,5 17,3/17,4 18,8/19,3 15,7/15,9 16,2 15,5/16,4 24/24,5 16,2
Comprimento (m) 4,295 4,294 4,232 4,241 4,329 4,159 4,258 4,329
Largura (m) 1,760 1,772 1,798 1,765 1,822 1,739 1,776 1,813
Altura(m) 1,590 1,586 1,666 1,696 1,683 1,583 1,678 1,619
Entre-eixos (m) 2,610 2,610 2,570 2,521 2,674 2,542 2,555 2,673
Peso (kg)* 1.133 1.265 1.393 1.249 1.214 1.236 1.372 1.273
Porta-malas (l) 432 437 260 362 475 355 306 437

*: Peso da versão de entrada.

Equipamentos especiais

A Renault destaca alguns equipamentos como “especiais” para o Captur. Além dos retrovisores laterais serem rebatíveis eletricamente, o modelo tem, como esperado, a central multimídia MEDIA Nav, disponível em todas as suas versões.

Segundo a marca, com no máximo 4 cliques, o consumidor acessa e configura qualquer funcionalidade do sistema através da tela touchscreen de 7”, que possui: GPS integrado, Bluetooth, câmera de ré, eco-scoring e eco-coaching, além do comando satélite que possibilita ao motorista acessar tudo sem tirar as mãos do volante.

O SUV traz chave cartão que possibilita a ignição simplesmente com a presença do cartão no interior do veículo. Já a abertura e o travamento das portas e do porta-malas acontecem por aproximação ou afastamento, sem necessidade de tocar no cartão.

Painel do Interior e banco traseiro do Painel do Renault Captur Intense 2018 automático

Renault Captur Intense 2018 tem câmbio automático de apenas quatro marchas

Segurança

Toda a gama do novo Renault Captur traz de série o controle eletrônico de estabilidade (ESP), que corrige movimentos que podem fazer o veículo sair da trajetória normal, e controle eletrônico de tração (ASR), que proporciona maior aderência em diferentes tipos de superfícies.

O SUV traz de série em todas as versões quatro airbags de série (dois frontais e dois laterais) e sistema de fixação ISOFIX para duas cadeirinhas infantis no banco traseiro.

Todas as versões contam de série com luzes de rodagem diurna LED (DRL), freios ABS, auxílio de frenagem de emergência (AFU) e distribuição eletrônica de frenagem (EBD).

Visual do Renault Captur Zen

Altura do solo chama a atenção. Na foto, Renault Captur Zen

A assistência de partida em rampas (HSA) é acionada quando o carro se encontra em uma inclinação superior a 3°. Este sistema freia o carro por até 2 segundos, auxiliando a arrancada em ladeiras.

Outra novidade são as luzes de conversão chamadas de Cornering Lights, que são integradas aos faróis de neblina dianteiros. Estas são acionadas automaticamente ao girar o volante, permitindo melhor visibilidade em áreas de menor luminosidade.

Motores e câmbios

O Captur chega com duas opções de motorização: o recém-lançado 1.6 16V SCe, que desenvolve 118 cv  de potência com gasolina e 120 cv e com etanol, além de 16,2 mkgf de torque com qualquer combustível; e o 2.0 16V, que gera 143 cv e 20,2 mkgf com o combustível fóssil e 148 cv e 20,9 mkgf com o derivado da cana-de-açúcar.

Quando equipado com o propulsor 1.6 16V, o SUV recebe uma transmissão manual de cinco velocidades. Já a versão movida pelo 2.0 16V, traz o superado câmbio automático de apenas quatro marchas.

Motor 1.6 16V SCe do Renault Captur Zen

Com 118/120 cv, motor 1.6 16V SCe equipa o Renault Captur Zen

Ficou interessado na caixa CVT? Saiba que ela irá equipar o Captur a partir de junho desse ano.

O bom motor 1.6 16V é basicamente o do Kicks, mas com algumas evoluções para tentar equilibrar as coisas, uma vez que o Captur é 140 kg mais pesado que o primo da Nissan. Já a motorização 2.0 é velha conhecida e, no ano passado, recebeu uma série de melhorias para ficar mais moderna e econômica.

Versões e preços

Renault Captur Zen 2018

Renault Captur Zen 2018

Renault Captur Zen 1.6 SCe manual – R$ 78.900

Quatro airbags (dianteiros e laterais), controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle eletrônico de tração (ASR), assistente de partida em rampas (HSA), freios com ABS, ISOFIX, direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas aro 17″ de liga leve, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), assento do condutor com regulagem de altura, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, piloto automático com indicador e limitador de velocidade.

Opcionais: Media Nav + câmera de Ré e pintura biton.

Renault Captur Intense com câmbio automatico

Renault Captur Intense 2018

Renault Captur Intense 2.0 automático – R$ 88.490

Adiciona apoio de braço central dianteiro, rodas aro 17″ de liga leve diamantadas, Media Nav 7” touchscreen, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensor de chuva, farol de neblina com função Cornering Light, sensor crepuscular.

Opcionais: bancos em couro e pintura biton.

Acessórios e garantia

O novo Captur 2018 pode ser equipado ainda com barra de teto transversal, porta tablet, rede de porta-malas e caixa organizadora, apoio de braços (para a versão Zen), entre outros – todos têm garantia de fábrica.

O Captur tem garantia de fábrica de 3 anos ou 100 mil quilômetros rodados, prevalecendo o que ocorrer primeiro. Clientes que optarem pelo financiamento via Banco Renault têm 5 anos de garantia. O plano de manutenção do modelo prevê revisões periódicas a serem feitas em intervalos de 10.000 quilômetros ou a cada ano de uso.

Painel e interior do Renault Captur Zen

Renault Captur Zen tem câmbio manual e bancos de tecido

Além disso, a rede de concessionárias Renault oferece para os proprietários o programa “Revisão com Preço Fechado” e o “Pacote de Preço Fechado de Peças”, que reúne os principais itens de desgaste e manutenção. Esses dois serviços permitem aos clientes saberem de forma antecipada quanto gastarão para a realização de reparos, já que os preços sugeridos dos dois pacotes incluem os valores de peças e mão de obra.

Resumo da obra

Gostei muito do trabalho feito pela Renault com o Captur. A marca pegou as principais qualidades do Duster (espaço e robustez) e acrescentou beleza e tecnologia (a arquitetura eletrônica da novidade é quase 2x superior á do irmão mais velho), resultando num SUV moderno, realmente com grande chances de sucesso no Brasil.

Mas, como comentei, existe espaço para melhorias, e uma delas já está prevista: uma nova opção 1.6 com câmbio automático do tipo CVT está prevista para junho de 2017. Será muito muito bem-vinda, especialmente para os “aventureiros urbanos”.

Renault Captur Zen

Renault Captur Zen pode ter pintura em duas cores

Vale dizer que a Renault aposta que, nesse início do veículo, 80% de emplacamentos são da versão 2.0 e apenas 20% da 1.6. Com o Captur CVT, esse mix deve mudar.

Desafio

Outra melhoria a ser feita, na verdade, é um dos grande desafios para a marca francesa: como vender a versão topo de linha com um câmbio automático tão antiquado? Por que não pegar emprestado a transmissão do CVT do Fluence?

Fica mesmo um pouco estranho ter a versão com motor menor associada a um câmbio melhor, enquanto o Captur topo de linha, que deveria ser sinônimo de tecnologia e do “melhor que a Renault pode oferecer”, vir com um caixa tão superada.

Renault Captur 2018

Renault Captur 2018 agrada, mas pode evoluir

Sobre os preços, como sempre espero, eles poderiam ser mais baixos, mas não estão absurdos como os SUVs de outras marcas.

Se a versão Zen 1.6 manual custa a partir de R$ 78.900, é de se esperar que o preço suba para cerca de R$ 82.900 com câmbio CVT (rivalizando com o Kicks automático). Dessa forma, não espero um Captur 2.0 manual (a não ser que a Renault resolva lançá-lo com tração 4×4).

De toda forma, gostei do Captur e não vejo a hora de testá-lo para o blog e para o Youtube.

Comentários (13)

    • Faça um test drive no veículo. Motor 2.0 justíssimo e câmbio de 4 marchas que atende perfeitamente as exigências que propõe a categoria. Poderia ser melhor? Claro, assim como tantos outros concorrentes que ficam devendo um ou outro componente. Quanto a plataforma “simples”, para te informar melhor, este carro é o que entrega o maior espaço interno e de bagagem além de oferecer a maioria dos itens de segurança de série, incluindo ESP, coisa que nem GM Tracker sequer oferece como opcional. Ah, e se quiser segurança nos concorrentes prepare-se para desembolsar bem mais de 100 mil, sendo que o Captur 2.0 topo de linha, incluindo todos os opcionais crava exatos 91.390. Difícil encontrar relação custo/benefício melhor do que essa atualmente no mercado.
      Abs!

      • eu nao sou defensor de marca nenhuma e nao vejo beneficio algum em pagar mais de 90mil num carro cuja a plataforma e a msm de um sandero… desse segmento de suvs pequenos os melhores sao o creta, renegade e HR-V

        • Caro “pedro rt”, eu também não sou defensor de marca alguma, entretanto costumo ser justo e realista com os produtos que elas apresentam. Também não concordo com os preços dos carro por aqui, e se vc não acha justo pagar 90 mil num SUV, vejo que o Captur é o mais justo até então por aqui lançado em nosso mercado, pelo conjunto da obra.

          Ah, então vamos lá…
          Plataforma de veículo hatch? Hummmm… pois bem. Honda HR-V nada mais é do que um Fit altinho.
          Renegade, excelente veículo. Porém, tente equipa-lo ao menos próximo com o que o Captur oferece de série. Vejamos quanto vai dar esse total = algo bem acima dos 120 mil. Pra quem acha muito pagar 90 mil, creio que essa não seria a melhor opção, sem contar que aqui nem vamos falar de espaço, pra não deixar o Jeep com cara de jipinho.
          Creta? Na minha ótica, sofre o mesmo “mal” do Jeep. Equipamentos de segurança que no Captur já são oferecidos de série desde a versão de entrada, no Hyundai só vamos ter o ESP a partir das versões que partem dos 78.290 (Pulse), e além dos 2 airbags obrigatórios, os extras só vão aparecer na versão top de linha de 99.490 (sem a pintura). Xiiii…
          Algo que ficou muito bem resumido nesse trecho da matéria do Renato que segue abaixo:

          “Além disso, limitar os seis airbags e outros diferenciais apenas para o acabamento Prestige é uma estratégia equivocada da Hyundai. Outro erro é não ter uma versão com motor 2.0 por um valor mais agressivo, abaixo dos R$ 90.000”.

          Portanto, volto a dizer, vamos falar do veículo quando realmente o conhecermos. Sugiro novamente fazer um test drive e tirar suas próprias conclusões, pois a maioria dos jornalistas da mídia especializada que entram no carro com esse PRÉ-conceito, algo já definido, sem ao menos conhecer de fato o veículo, somente ao longo do percurso que vão caindo por terra certas teorias que não se concretizam na prática, e por fim, acabam sendo surpreendidos com o que encontram.
          Abs.

    • Motor 2.0 ele entrega na versão topo de linha “Intense”. Já o câmbio 4 marchas, sugiro fazer o test drive antes de tirar qualquer conclusão. Surpreendente! Agora, se mesmo assim não ficar satisfeito (acho pouco provável), aguarde a chegada do CVT, com motorização 1.6.
      Abs!

      • esse cambio 4 marchas da renault so consegue ser melhor q aquele problematico AL4 da PSA… qualquer concorrente dele consegue ser melhor com um CVT ou outro cambio automatico

        • Novamente uma avaliação equivocada, quando temos especialistas dizendo (basta procurar na mídia especializada) que nem sempre por ser um CVT ou qualquer outro automático de 7, 8, 9 ou mais marchas, é certeza de que serão eficientes. Fato é que esse powertrain do Captur casou muito bem.

          Poderia ser melhor? Claro que poderia, mas ficou melhor do que muitos imaginavam.

          Isisto – Faça o test drive.
          Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *