Renault Captur CVT e Duster CVT são as versões definitivas da dupla no momento

Renault Captur Intense com câmbio automático CVT

Renault Captur 1.6 16V SCe (Zen e Intense) agora conta com a opção de câmbio automático CVT

Até o motor 2.0 16V ser atualizado, ganhando uma transmissão automática de verdade, não existe dúvida: Renault Captur CVT e Duster CVT são as versões definitivas da dupla no momento.

O câmbio automático do tipo CVT pode ser o empurrão que faltava para os dois SUVs da marca francesa na acirrada briga pelo segmento. De janeiro a junho, ambos tiveram números de emplacamentos abaixo do esperado se comparados aos cinco modelos do topo da categoria.

Confira:

Modelos Junho 2017 Janeiro a Junho 2017 Participação
1. Honda HR-V 4.058 unidades 23.218 unidades 12,73%
2. Jeep Compass 3.820 unidades 22.003 unidades 12,07%
3. Jeep Renegade 2.993 unidades 17.792 unidades 9,76%
4. Hyundai Creta 3.518 unidades 17.323 unidades 9,50%
5. Ford EcoSport 3.268 unidades 14.182 unidades 7,78%
6. Nissan Kicks 2.007 unidades 12.766 unidades 7,00%
7. Renault Duster 944 unidades 9.667 unidades 5,30%
8. Peugeot 2008 866 unidades 4.982 unidades 2,73%
9. Chevrolet Tracker 955 unidades 4.825 unidades 2,65%
10. Hyundai ix35 1.063 unidades 4.587 unidades 2,52%
11. Renault Captur 1.008 unidades 4.354 unidades 2,39%

Fonte: Fenabrave

Renault Captur CVT

Com qualidades para tentar ser protagonista do segmento, mas com soluções inadequadas para a categoria e para um carro lançado em 2017, o Renault Captur recebe, com animação, a opção do câmbio automático Xtronic CVT, que deve responder por 60% das vendas do modelo.

Finalmente o veículo tem uma transmissão automática de qualidade, que justifica a compra das duas verões que dão férias ao seu pé esquerdo, Zen e Intense, ambas 1.6 SCe.

Renault Captur Zen e Intense com câmbio automático CVTIsso mesmo, se quiser qualidade nas trocas automáticas, terá que optar pelo valente propulsor 1.6 16V, que desenvolve 118 cv  de potência com gasolina e 120 cv e com etanol, além de 16,2 mkgf de torque com qualquer combustível;

Mas e o Captur 2.0 CVT?

A dúvida que não quer calar é “por que a Renault não lança o Captur 2.0 com câmbio CVT ao invés de usar a limitada e ultrapassada transmissão automática de apenas quatro marchas?”.

Bem, pela pesquisa que fiz nos sites da marca pelo mundo, não encontrei nenhuma versão do SUV que associasse os dois. Conversei então com algumas pessoas ligadas a concessionárias da Renault em Minas Gerais e a resposta foi que “o custo de desenvolvimento do Captur 2.0 com câmbio CVT seria alto demais, não justificando para uma versão que deve ser responsável por apenas 20% das vendas do modelo”.

Painel do Renault Captur Intense com câmbio automático CVT

Painel do Renault Captur Intense com câmbio automático CVT

É a mesma informação conseguida pelo pessoal da Autoesporte. Eu devolvi a seguinte um “mas o Fluence e o Sentra têm motor 2.0 com câmbio CVT?“. Antes que eu terminasse, recebi um seco “são motores 2.0 diferentes” (do Captur e do Fluence/Sentra). Ainda assim, esse poderia ser o caminho.

O Captur 2.0 16V gera 143 cv e 20,2 mkgf com o combustível fóssil e 148 cv e 20,9 mkgf com o derivado da cana-de-açúcar. A única transmissão disponível para essa motorização é a automática de quatro marchas, que atrapalha o desempenho e o consumo do carro.

Equipamentos Captur Zen

A versão Zen vem equipada com quatro airbags (dianteiros e laterais), controles estabilidade (ESP) e tração (ASR); assistente de partida em rampas (HSA), freios com ABS, ISOFIX, direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas aro 17″ de liga leve, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), assento do condutor com regulagem de altura, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, piloto automático com indicador e limitador de velocidade.

Câmbio automático do tipo CVT do Renault Captur Zen e Intense

Câmbio automático do tipo CVT está disponível apenas para o Captur 1.6, nas versões Zen e Intense

Equipamentos Captur Intense

Itens acima com a adição de luz de neblina com função “cornering” light, repetidor Lateral, detalhes em prata brilhante, ski traseiro (?), apoio de braço do motorista, ar-condicionado com ajuste automático, sensores de chuva e de luminosidade (crepuscular), entre outros.

Preços do Captur manual, CVT e automático

  • Renault Captur Zen 1.6 manual – R$ 78.900
  • Renault Captur Zen 1.6 Xtronic CVT – R$ 84.900
  • Renault Captur Intense 1.6 Xtronic CVT- R$ 88.400
  • Renault Captur Intense 2.0 Automático – R$ 91.900

Infelizmente, desde o lançamento, o Captur já ficou mais caro. No caso, o Intense 2.0 subiu de R$ 88.490 para R$ 91.000, tudo para abrir espaço para a Intense 1.6 CVT.

Renault Duster CVT

Mas não foi só o irmão mais novo e “chique” que ganhou essa nova opção de transmissão; o Renault Duster também pode vir com o bom câmbio automático do tipo CVT, também unicamente associado ao motor 1.6 SCe – afinal, Duster e Captur são praticamente o mesmo carro.

Renault Duster Dynamique com câmbio automático CVT

Renault Duster Dynamique 1.6 com câmbio automático CVT

Além disso, todas as versões com o novo câmbio são equipadas, de série, com assistente de partida em rampa, controles de tração e de estabilidade. 

O que é incoerente é o fato desses dois itens de segurança não estarem disponíveis para versões as mais caras, com motor 2.0 (manual e automática, ambas 4×2, e 4×4 manual). A de entrada, 1.6 manual, também não conta com os controles, enquanto a Expression CVT não tem piloto automático.

No mais, tudo igual: bom espaço interno, talvez o melhor porta-malas do segmento (475 litros, mas 400 l na versão 4×4), acabamento razoável, ergonomia bem limitada; falta de um câmbio automático eficiente para as versões 2.0 e todas as outras melhorias da linha 2017, incluindo a direção com assistência eletro-hidráulica (fica no meio termo: melhor do que a hidráulica e pior do que a elétrica).

Renault Duster Expression com câmbio automático CVT

Duster 1.6 CVT tem controle de tração e de estabilidade de série

Renault Duster 1.6 Expression 1.6 manual: R$ 67.990

Principais equipamentos de série: direção eletro-hidráulica; ar-condicionado; travas e vidros elétricos; rádio com leitor MP3, com entradas USB e auxiliar e comandos na coluna de direção; volante e banco do motorista com regulagem de altura; retrovisores externos na cor da carroceria; barras de teto; luzes diurnas, freios ABS, airbag duplo; alarme; limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro; entre outros.

Renault Duster Expression 1.6 CVT: R$ 73.490

Expression manual + controles eletrônicos de estabilidade e de tração e assistente de partida em rampa.

Renault Duster Dynamique 1.6 manual: R$ 73.490

Expression manual + sensor de estacionamento traseiro; central multimídia Media NAV Evolution de 7″ com GPS integrado; rodas de liga leve aro 16″; computador de bordo; volante com revestimento parcialmente em couro; retrovisores externos elétricos; faróis de neblina; apoio de cabeça para todos os ocupantes, entre outros.

Renault Duster Dynamique 1.6 CVT: R$ 78.990

Dynamique manual + controles eletrônicos de estabilidade e de tração; assistente de partida em rampa; piloto automático (controlador automático de velocidade); câmera de ré.

Renault Duster Dynamique 2.0 manual: R$ 84.120

Mesmos equipamentos da versão Dynamique 1.6 manual.

Renault Duster Dynamique 2.0 automático: R$ 85.070

Mesmos equipamentos da versão Dynamique 2.0 manual.

Renault Duster Dynamique 2.0 manual 4×4: R$ 86.620

Mesmos equipamentos da versão Dynamique 2.0 manual.

Painel do Renault Duster Dynamique com câmbio automático CVT

Espaço do Duster é bom, mas ergonomia precisa melhorar

Resumo da obra

Não há dúvida de que a chegada do câmbio CVT para a dupla Captur e Duster é extremamente bem-vinda, mesmo que apenas para o valente motor 1.6 16V SCe, podendo, realmente, fazer diferença nas vendas dos modelos.

Mas a Renault precisa resolver as suas incoerências para ter a chance de deslanchar no segmento de SUVs no Brasil:

  • Captur e Duster 2.0 precisam de um câmbio automático mais moderno e eficiente, como o de todos os concorrentes diretos (Creta, HR-V, Renegade, Tracker…);
  • Todas as versões automáticas do Captur e do Duster precisam ser equipadas com piloto automático de série;
  • Todas as versões do Duster com motor 2.0 precisam vir, de série, com controles eletrônicos de tração e estabilidade;

Por conta disso tudo, não tenho dúvidas de que as versões definitivas, nesse momento, do Captur são a Zen 1.6 CVT e Intense 1.6 CVT; enquanto do Duster são Expression 1.6 CVT e, especialmente, Dynamique 1.6 CVT.

Captur 2.0? Ainda não recomendo. Duster 2.0? Só se for o 4×4.

Para fechar: a Renault ainda não respondeu ao meu desafio do Kwid. Pelo visto, vai amarelar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *