Teste: Renault Kwid Intense agrada pelo desempenho e, principalmente, pelo consumo

Dianteira do Renault Kwid Intense

Renault Kwid Intense foi testado pelo De 0 a 100

Desde antes do desafio que lancei aqui, e da marca quase ter amarelado, eu queria testar um Renault Kwid Intense e, finalmente, isso aconteceu. O pequeno franco-paranaense ficou comigo por alguns dias e me agradou pelo desempenho, um pouco pelo preço e, principalmente, pelo consumo de combustível.

Mas o “SUV dos compactos” pode ainda evoluir em vários aspectos, como acabamento, nível de ruídos e ergonomia – pontos que, com certeza, já estão sendo analisados pela marca.

Pude entender, na prática, porque o Kwid é o sétimo carro mais emplacado do Brasil em 2018, com 59.670 unidades (de janeiro a novembro, segundo a Fenabrave) batendo, com folga de mais de 13.500 carros, o seu concorrente direto: Fiat Mobi.

O veículo da Renault é muito legal e se apoia no visual aventureiro e na economia para atrair o consumidor brasileiro. Economia essa que aparece, por exemplo, de duas formas:

1. Consumo de combustível do Renault Kwid

A primeira é na bomba. O Kwid não é amigo dos postos de combustível. Durante o período em que fiquei com o carro, consegui fazer três medições de consumo com gasolina na cidade (Belo Horizonte/MG): na primeira, 16,1 km/l; na segunda, 15,7 km/l; e, na terceira, 15,9 km/l – ou seja, média final de impressionantes 15,9 km/l na cidade com gasolina!!!

Traseira do Renault Kwid Intense

Versão Intense é a topo de linha do Renault Kwid

Na estrada, rodando com duas pessoas, pouca bagagem, ar-condicionado ligado e velocidade constante de 90 km/h, excelente média 21 km/l com gasolina.

Uma pena que o tanque de combustível tenha apenas 38 litros de capacidade, limitando a autonomia, que não é ruim: com um tanque, daria para rodar 798 km na estrada e 604,2 km na cidade. Imagine se a volume subisse para 45 litros – autonomia iria para 945 km na estrada!

2. Preço do Renault Kwid

A segunda economia está na hora da compra, que já foi bem melhor. Ainda assim, o Kwid tem uma boa relação custos/benefício entre os carros até R$ 42.000 do Brasil, oferecendo, de série, desde a versão de entrada, 4 airbags, ABS com EBD, Isofix, entre outros itens. Confira:

Renault Kwid Life

Renault Kwid Life

Renault Kwid Life – R$ 32.490

Principais itens: tomadas 12V, abertura interna do porta-malas, porta-objetos nas portas dianteiras com suporte para garrafa de 1 litro, apoios de cabeça dianteiros fixos, apoios de cabeça traseiros laterais, para-sol do motorista e do passageiro; espelho de cortesia lado passageiro; indicador de troca de marcha e de estilo de condução; para-choques da cor da carroceria; retrovisores e maçanetas pretos; rodas com aro 14”; desembaçador do vidro traseiro; retrovisores externos com regulagem manual interna; freios ABS com EBD; 4 airbags (2 frontais e 2 laterais); 2 Isofix; predisposição para rádio; ajuste de altura dos cintos de segurança dianteiros, entre outros.

Renault Kwid Zen

Renault Kwid Zen

Renault Kwid Zen – R$ 38.090

Principais itens: Life + ar-condicionado; dois alto-falantes; stripping preto inteiro na parte inferior da porta; revestimento interno do porta-malas; direção elétrica; travas e vidros dianteiros elétricos; retrovisor interno dia/noite; alarme de aviso luzes acesas; alças de segurança traseiras e rádio Continental 2DIN (Bluetooth, USB, auxiliar, Apple Device Connectivity).

Renault Kwid Intense

Renault Kwid Intense

Renault Kwid Intense – R$ 41.990

Principais itens: Zen + computador de bordo; tacômetro + Rev Meter; apoio de cabeça traseiro central; bolsas integradas na parte traseira dos bancos traseiros; MEDIA Nav 2.0 com tela de 7″; câmera de ré; chave canivete; abertura elétrica do porta-malas a distância; retrovisores elétricos; grade frontal cromada; faróis de neblina com detalhes cromados; retrovisores preto brilhante; maçanetas internas cromadas; elementos interiores branco marfim; banco e volante com design personalizado; rodas de 14” Flex Wheel em cinza antracite; maçanetas externas na cor da carroceria; Stripping Connect; e faróis de neblina.

Melhor versão do Renault Kwid

Como explico no vídeo, a melhor versão do Kwid para se comprar é a Zen, intermediária, por aliar equipamentos + preço, uma vez que a Life não tem direção elétrica e nem ar-condicionado, enquanto a Intense (carro testado) custa R$ 42.000.

Lateral do Renault Kwid Zen

Renault Kwid Zen é a que melhor equilibra o custo/benefício da linha

Mas passar de R$ 38.000 liga o sinal de alerta para o Renault Kwid: é o limite que a versão Zen pode custar pois, acima disso, outras opções do mercado começam a ganhar importância na escolha (problema que o acabamento Intense já enfrenta).

Desempenho do Renault Kwid

Outro ponto que me agradou bastante no Kwid foi o seu desempenho.

Motor 1.0 SCe do Renault Kwid Intense 2018

Motor 1.0 12V SCe de três cilindros é um dos destaques do Renault Kwid

O baixo peso (786 kg) ajudou o motor 1.0 12V SCe de três cilindros a beber pouquíssimo e a andar bem, mesmo sendo mais fraco do que o mesmo coração do irmão Sandero: 66 cv de potência e 9,4 mkgf de torque com gasolina e 70 cv e 9,8 kgfm com etanol – Sandero tem 79/82 cv e 10,2/10,5 mkgf.

Rodando com o Kwid

Na cidade, seu ambiente favorito, o Kwid foi bem quase o tempo inteiro. Só passou muito aperto, precisando embalar para encarar três subidas da capital mineira, com 4 adultos a bordo e ar-condicionado ligado. Nessa hora, ter um pouco mais de força em linhas gerais (comando de válvulas variável seria muito bem-vindo) faria diferença.

Renault Kwid Intense em movimento

Renault Kwid Intense tem bom desempenho

O volante do Kwird é relativamente leve, o que e facilita as manobras, mas fez falta o câmbio ter engates mais precisos e suaves para tornar a condução mais agradável.

Na estrada, na hora de ultrapassar, mais uma vez o baixo peso do Kwid ajudou, assim como o escalonamento mais curto das marchas – não espere alta velocidade final no pequeno francês. Senti falta apenas do carro ser mais estável, pois ele sofre muito com deslocamentos de ar (vindo de caminhões e ônibus, por exemplo). Talvez um pneu mais largo ajudasse.

Lateral do Renault Kwid Intense

Renault Kwid Intense também tem apenas 3 parafusos nas rodas: sinal de economia

Freios do Renault Kwid

O Kwid Intense que a assessoria de imprensa da Renault me emprestou foi fabricado antes do problema dos freios ter sido corrigido direto da fábrica. Ou seja, o veículo passou foi um dos 21.802 carros chamados para o recall dos freios.

E eu fui o primeiro jornalista a pegar o veículo depois do recall. Nos primeiros dois dias, confesso que não confiei no freio. A sensação de que o veículo não ia parar acontecia em quase todas as pisadas no pedal, exigindo que eu dirigisse de maneira ainda mais defensiva, usando bastante o freio motor para me ajudar.

Renault Kwid Intense é o "SUV dos compactos"

“SUV dos compactos”, Renault Kwid tem 18 cm de altura livre do solo

A partir do terceiro dia, as peças parecem ter se “encontrado” e o sistema começou a funcionar melhor, me passando mais confiança. Hoje, de acordo com a Renault, a situação dos freios do Kwid é absolutamente normal. Assim espero!

Teste do Alto: espaço interno do Renault Kwid

Sobre o espaço interno, melhor do que ler sobre o espaço interno do Kwid é pode assistir e avaliar você mesmo sobre esse aspecto:

Porta-malas do Kwid

Mesmo com medidas compactas (veja abaixo), o franco-paranaense tem um porta-malas com boa capacidade: 290 litros – igual ao dos Fiat Uno e Palio e maior do que: Fiat Mobi (215 l), Ford Ka (257 l) e Volkswagen Up e Gol (285 l).

Porta-malas do Renault Kwid

Porta-malas do Renault Kwid leva bons 290 litros

Acabamento do Renault Kwid é um problema

Mas o Renault Kwid tem espaço para evoluir e o ponto mais necessário é o acabamento. Seu interior se caracteriza pela simplicidade e alguns pontos preocupam.

A borracha que reveste a porta dianteira esquerda é alvo diário do motorista que, ao entrar e sair, esbarra nela, a fazendo rachar e romper (veja no vídeo do início). A alavanca de abertura do bocal do tanque de combustível tem aspecto frágil e fica a impressão que, mais cedo ou mais tarde, ela vai sair na sua mão.

Painel do Renault Kwid Intense

Painel do Renault Kwid Intense

Algumas partes do painel também merecem melhorias, como melhores encaixes e peças com material um pouco melhor ao toque.

Essas peças e outras que não enxergamos fazem o Kwid sofrer com mais um problema: ruídos internos, que piora pela vibração do motor e, especialmente, pelo fraco isolamento acústico da cabine. Em vários momentos não consegui identificar de onde o barulho estava vindo.

Painel do Renault Kwid Life

Painel do Renault Kwid Life

É de entrada, mas pode (e deve) melhorar

Tudo bem que esse é um carro de entrada e, para isso, ele deve custar o mínimo possível. Prova disso são os bancos dianteiros inteiriços (com apoios de cabeça embutidos), um limpador de para-brisa e rodas com apenas três parafusos.

Mas a marca francesa tem qualidade e criatividade suficiente para evoluir o seu veículo, mantendo o preço atraente.

Painel do Renault Kwid Zen

Painel do Renault Kwid Zen

Ergonomia: sinal claro de economia

Outro aspecto bastante claro de economia é a ergonomia: posso dizer que todo o trio elétricos fica no painel central. Ou seja, botões para controles dos vidros, dos retrovisores e da trava elétrica ficam todos no centro do painel (para poupar chicote elétrico).

Além de prejudicar até a segurança do motorista, uma vez que deixar tudo na porta é mais fácil e exige menos atenção), essa solução atrapalha a ergonomia.

Quem vai dirigir até encontra uma posição razoável de guiar, mas faltam ajuste de altura do banco e de altura e, por que não, de profundidade do volante – afinal, esse é um projeto do século 21.

Ficha técnica Renault Kwid Intense 1.0 12V SCe (três cilindros)

  • Potência: 66/70 cv (g/e) a 5.500 rpm
  • Torque: 9,4/9,8 mkgf (g/e) a 4.250 rpm
  • Comprimento: 3,680 m
  • Largura: 1,579 m
  • Altura: 1,474 m
  • Altura livre do solo: 18,0 cm
  • Entre-eixos: 2,423 m
  • Porta-malas: 290 litros
  • Tanque: 38 litros
  • Peso: 758 kg (Life) / 779 kg (Zen) / 786 kg (Intense)
  • Consumo com gasolina: 15,9 km/l na cidade e 21 km/l na estrada

De 0 a 100 Renault Kwid Intense 2018

Avaliação Nota (0 a 10)
Desempenho 7,5
Consumo 10
Conforto/Acabamento 4
Posição de dirigir 4
Visual/Design 7,5
Equipamentos de série 7
Segurança 6,5
Espaço interno 5,5
Porta-malas 8
Custo/benefício 7
Total – De 0 a 100 67
Renault Kwid Intense é um aventureiro urbano

Renault Kwid Intense está mais para um aventureiro urbano

Resumo da obra

Por mais que a ergonomia, o acabamento e o nível de ruído tenham me incomodado, assim como a falta de um pouco mais de espaço para dirigir e de cinto de três pontos central traseiro, os pontos positivos do Kwid chamaram muito mais a minha atenção do que os negativos.

A média de consumo de combustível foi impressionante! Desempenho também agradou! Imaginem quando a Renault atualizar o motor do Kwid com as mesmas soluções adotadas no do Sandero? Vai andar mais e beber ainda menos!

Porta-malas também é outro ponto positivo, mas o preço saiu do “verde” e entrou no “amarelo”. Sobre esse aspecto, a Renault precisa ficar muito atenta, pois todas as versões subiram de preço mais de uma vez nos últimos 12 meses. A marca francesa não pode cometer com o Kwid o mesmo erro da Fiat fez com o Mobi.

No mais, o Kwid é bem legal e vale a compra, nessa ordem: Zen e Intense (Life, não).

Pontos positivos

  • Consumo
  • Desempenho
  • Preço (ainda positivo)
  • Porta-malas

Pontos negativos

  • Acabamento
  • Nível interno de ruídos
  • Ergonomia

ACOMPANHE O DE 0 A 100 TAMBÉM PELO:

Comentários (4)

    • Zé, a nota 7 de custo/benefício é para a versão Intense – todas as notas da tabela são. Se eu tivesse testado a versão Zen, as notas teriam sido diferentes: custo/benefício, por exemplo, teria sido mais alta. Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *