Renault mostra oficialmente o “novo” Clio e Peugeot se prepara a chegada do belo 208

Marca colocou a palavra CLIO logo abaixo do emblema

Os franceses querem crescer ainda mais por aqui e preparam novidades interessantes. Depois do flagrante feito na Argentina, finalmente a Renault revelou oficialmente as linhas finais do “novo” Clio, que recebe sua mais “profunda” reestilização para se manter competitivo no mercado do Mercosul, especialmente o brasileiro. Se isso não fosse o bastante, a Peugeot confirmou que o 208 será lançado no Brasil no primeiro semestre de 2013. Ambos os modelos estarão no Salão do Automóvel de São Paulo, que começa na semana que vem.

Alta Roda – Pé no acelerador

Já se sabe que o Brasil é o país dos compactos e as variações sobre o mesmo tema não param de surgir. O mais recente nessa leva é o Chevrolet Sonic que a GM traz agora da Coreia do Sul. A empresa terá que absorver, provisoriamente, a diferença de carga tributária de 35% de imposto de importação e 30% extras de IPI, à espera do início da produção mexicana, em meados do segundo semestre. Em outros tempos, o lançamento seria adiado, mas a disputa no mercado está tão intensa que ninguém pisca os olhos.

Tanto o hatch como o sedã, em duas versões de acabamento (LT e LTZ), câmbio manual de cinco marchas ou automático de seis, trafegam na faixa de R$ 46.200,00 a R$ 56.100,00, como se importados do México. O Sonic é o primeiro carro realmente pequeno que a GM produz nos EUA (Ohio), em estratégia diferente da Ford, que fabrica o Fiesta no México. Mas, enquanto a GM não terá um Sonic nacional, a Ford produzirá o novo Fiesta aqui, em 2013.

Fotos: Chevrolet/Divulgação

O novo Chevrolet utiliza a mesma arquitetura global para automóveis pequenos, que estreou no Cobalt e estará, ainda no final desse mês, no monovolume Spin (substituto de Meriva e Zafira). Entra na categoria dos compactos anabolizados, a exemplo de Punto, Sandero, Fit e novo Fiesta. A versão sedã mira City e Linea, entre outros. A GM já tem o Agile (arquitetura Corsa) e abriu espaço para o novo modelo com posicionamento de preços. Certamente haverá canibalização, dentro do previsível, segundo a empresa.

Espaço interno é um dos atributos do Sonic, ao lado do conjunto motriz atualizado. Motor de 1,6 l/120 cv (etanol) apresenta respostas muito boas e elasticidade garantida por dois comandos de válvulas e coletor de admissão variáveis. Isolamento acústico não se inclui entre os pontos altos. Acabamento e materiais são razoáveis. Há vários porta-objetos e porta-luvas duplo. Porta-malas de 265 litros, modesto para um hatch desse porte, também não é referência, 477 litros, no sedã. Tanque de 46 litros limita a autonomia.

Em termos de estilo, destaque para o hatch. Procura identificação em pormenores como faróis sem as tradicionais coberturas acrílicas ou maçanetas traseiras embutidas na coluna C. No sedã, a curvatura de teto tem linhas fluidas, mas a traseira sofre do “mal dos compactos”. Quadro de instrumentos demonstra como se faz algo simples, porém criativo, ao combinar recursos analógicos e digitais. No sedã, o vigia traseiro avança demais sobre o teto e quem senta atrás, apesar do espaço livre, pode ser incomodado com o sol, apesar de a máscara protetora amenizar o desconforto.

O ano de 2012 ainda não acabou para GM. Poucas vezes se viram tantos lançamentos inéditos, em sequência, entre fabricantes aqui instalados. Depois do Spin (cinco e sete lugares, mesmas dimensões externas), chegará a vez da Blazer, em outubro, e do novo compacto de dimensões comportadas (semelhantes às do Celta), que deve se chamar Ônix, em novembro. Haverá ainda câmbio manual automatizado (Magneti Marelli) no Agile e motor 1,8 l com câmbio automático, no Cobalt. Para 2013, sedã Ônix e SUV compacto Enjoy.

A ordem é pé no acelerador, não importam as curvas sinuosas do mercado.

RODA VIVA

PLANOS da Ford são de produzir novo Fiesta hatch em São Bernardo do Campo (SP), ao lado do futuro Ka. Em Camaçari (BA) ficam EcoSport e Fiesta atual (hatch e sedã). Novo Fiesta sedã, em princípio, continuaria a vir do México para equilibrar exportações e importações. No entanto, sedã também poderia ser feito aqui, se importações continuarem restritas.

QUANDO o novo Citroën C3 chegar, em agosto, o modelo atual – lançado em maio de 2003 e quase sem mudanças até hoje – será descontinuado. Estratégia oposta à da marca principal do grupo, pois a Peugeot continuará vendendo o 207 (206 retocado), depois de lançar o 208 em janeiro do próximo ano. Mesmo na Europa, 206 e 207 conviveram por uns tempos.

ESPAÇOSO e com estilo atraente (um pouco menos elegante quando visto de traseira), Peugeot 508 tem preço bastante competitivo: R$ 119.900,00. Apesar de seu interior de primeira classe (só extintor incêndio atrapalha os pés no banco ao lado do motorista) e conjunto motriz condizente, a concorrência em modelos desse porte deixa pouco espaço para marcas generalistas.

OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Veicular (ONSV) concluiu, a pedido da Proteste, seu primeiro relatório sobre iluminação veicular de modelos fabricados no Brasil. A pesquisa inclui os recursos disponíveis em várias marcas e é o primeiro de uma série de trabalhos centrados em segurança. O site da entidade está em http://www.onsv.org.br/.

AINDA dentro do tema e das iniciativas da década de ações mundiais em prol da segurança no trânsito, lançadas pela ONU e a FIA (Federação Internacional do Automóvel), a frente parlamentar da Câmara dos Deputados criou um site específico para desenvolver ideias e debater soluções. Focado na interatividade e enquetes diversas merece a visita: http://transitoseguro.net.

Nissan March cria novo parâmetro financeiro para o segmento?

Fiquei vendo a lista de equipamentos e os preços do March no último final de semana e pensei: embora fique devendo na lista de segurança (airbag duplo de série é excelente, mas faltam intens), será que o March conseguirá criar um novo padrão de custo inicial para o segmento de compactos?

Continuar lendo

Peugeot frustrada no Brasil. Mas esperança existe e é já real

A Peugeot corre contra o tempo para recuperar mercado e prestígio no Brasil. Deve ser realmente complicado ver os seus modelos serem superados em vendas para dinossauros da indústria nacional.

Continuar lendo

Carros nacionais passam vergonha no Latin NCAP

Peugeot-207-XR-2013-Brasil

Peugeot 207

Alguns automóveis brasileiros e um outro estrangeiro participaram de crash-tests nos moldes do Euro NCAP (entidade européia) para avaliá-los no quesito segurança, promovidos pelo Latin NCAP. O resultado foi bastante desanimador.

Continuar lendo

Dentadura de vampiro – Peugeot anuncia a picape Hoggar

A Peugeot anunciou oficialmente hoje o lançamento do seu novo modelo compacto, derivado do 207: a picape Hoggar. Ela chega às concessionárias da marca no dia 15 de maio com cabine simples, três versões de acabamento (só a Escapade confirmada) e duas motorizações flex: 1.4 e 1.6 16V. Com este novo veículo, a marca francesa fecha a família 207, que já era composta por um hatch, um sedã e uma perua.

Continuar lendo

Dúvidas inexplicáveis do mercado automotivo brasileiro

? ? ? ? ? ? ?

Existem várias coisas que tento entender e não consigo. Realmente tenho várias dúvidas inexplicáveis sobre o mercado automotivo brasileiro. Algumas eu consigo imagino a resposta, outras, não, e muitas eu ainda tento. Vejam alguns exemplos.

Continuar lendo

Peugeot em sinal de alterta e Ford confirma novidades

O ano de 2009 acabou bem para quase todas as 10 marcas mais vendidas no Brasil. Na verdade para nove das 10 marcas, que superaram o número de emplacamentos de 2008. Veja:

1. Fiat: 736.917 (2009) x 657.607 (2008)
2. Volkswagen:
684.140 (2009) x 585.078 (2008)
3. Chevrolet: 591.798 (2009) x 539.934 (2008)
4. Ford: 303.698 (2009) x 259.930 (2008)
5. Honda: 125.860 (2009) x 117.601 (2008)
6. Renault: 117.430 (2009) x 115.292 (2008)
7. Toyota: 93.398 (2009) x 80.743 (2008)
8. Peugeot: 81.851 (2009) x 82.399 (2008)
9. Hyundai: 71.039 (2009) x 43.793 (2008)
10. Citroën: 69.215 (2009) x 68.271 (2008)

A única marca que caiu foi a Peugeot, que vendeu 548 carros a menos e foi ultrapassada pela Toyota, perdendo a sétima posição alcançada em 2008. Você pode até pensar que 548 unidades é muito pouco, mas não é. Isso porque todas as outras nove montadoras tiveram aumento nas vendas, sendo que algumas comercializaram quase 100.000 veículos a mais, como a Volkswagen. A Hyundai também quase dobrou as suas vendas. Por isso, a Peugeot precisa ligar o sinal de alerta.

A marca do leão se justificou dizendo que é normal no mercado ter uma queda de vendas no final da vida útil de um modelo, com o início da nova vida de uma “novidade” – entre aspas porque ela se refere ao 206 e ao 207 (este que é o 206,5). Acredito que a marca esteja certa, já que é natural que isso aconteça. Mas a montadora francesa precisa se mover – urgente!
O primeiro ato foi mudar o logo da marca (acima), para dar uma revigorada, o que sempre é bem-vindo. A segunda e mais importante ação é ter uma linha de produtos melhor, maior e mais diversificada e agressiva. O lançamento da picape 207 vai ajudar, assim como o 207 mais em conta (ele realmente evoluiu em termos de câmbio e suspensão se comparado ao 206, por isso merece ser chamado de 206,5). A marca também poderia adiantar a chegada do 308 Sedan, previsto para o final de 2010, para antecipar o “gás” no segmento de sedãs médios, já que o 307 Sedan nunca vendeu bem no Brasil (e teve um 2009 para ser esquecido). O hatch ainda aguenta mais um pouco, mas o lançamento do 308 também não pode demorar muito.

A Citroën também precisa acordar, já que seu aumento de vendas foi mínimo – 944 unidades. Com isso, a Hyundai já virou a nona marca mais vendida do Brasil, deixando os franceses em décimo. O C4 é um bom carro, assim como o seu irmão sedã, o Pallas. Mas o C3, veículo de entrada da montadora, precisa de uma revigorada (ou de um corte perceptível de preços). Não sei se lançar o C3 Picasso, o Pallas 1.6 16V flex, o “carro-imagem” DS3 e reestilizar o C4 Picasso (novidades previstas para esse ano) vão ser suficientes para impulsionar a empresa no Brasil em 2010.

Norte-americanos
Quem confirmou algumas novidades para esse ano (já conhecidas por todos) foi a Ford. Depois de confirmar um alto investimento para o Brasil e de lançar o Focus 1.6 16V flex Sigma, a marca vai ter três novidades principais em 2010. No primeiro semestre teremos o Focus 2.0 flex (finalmente!!), que pode ter 150 cv de potência com álcool (segundo a revista Carro), nas versões hatch e sedã; e o EcoSport reestilizado, para tentar dar um último impulso de vendas para o modelo até a chegada da nova geração do veículo, prevista para o final de 2011/primeiro semestre de 2012.

No segundo semestre será a vez do Fiesta receber uma reestilização mais profunda, inspirada no Figo (acima), seu irmão praticamente gêmeo comercializado na Índia, mas com os faróis e com a grade diferentes (um pouco mais esportivos). Sem dúvida a mudança pode ajudar o hatch da Ford a vender mais, já que ele vai ficar mais atrativo – pelo menos no aspecto visual. Mas o grande lançamento da marca para o Brasil vai ficar mesmo para 2011: o Fiesta europeu. Por esse vale esperar.

Peugeot 207 picape aparece sem camuflagem

Se eu encerrei 2009 falando de picapes, começo 2010 com o mesmo tema! Isso porque o blog CarsDias e a revista Autoesporte divulgaram fotos de um dos principais lançamentos da Peugeot nesse ano, a nova picape compacta derivada do 207, flagrada rodando ser disfarces em Resende (RJ). O modelo já começou a ser produzido e deve chegar ao mercado brasileiro em março, com duas opções de motores: os já conhecidos 1.6 16V flex (110/113 cv) e 1.4 8V flex (80/82 cv) – que equipam o restante da família.

O flagrante feito foi da versão Escapade, com visual mais “aventureiro”, como já acontece na perua. Me chamou a atenção o tamanho das portas, muito pequenas, passando um aspecto de fragilidade – parece brinquedo. Se levarmos em consideração o 207, o espaço interno da picape não será dos melhores, ainda mais porque uma versão com cabine dupla não deve ser lançada – só cabine simples.

De uma maneira geral, gostei do visual do novo veículo da Peugeot, mas alguns pontos poderiam ser melhor trabalhados. O primeiro seria usar uma porta maior, como a do 207 2p. O segundo seria ampliar um pouco a janela lateral atrás das portas, pelo menos para dar a impressão de que a cabine é um pouco maior. Outro ponto seria aquela linha preta que sai das laterais e chega na alavanca para abrir a tampa da caçamba. Acredito que outra solução estética pudesse ser mais adequada por ali. Sobre os polêmicos para-lamas traseiros exagerados em plastico preto, até que gostei.

Peugeot lança 207 X-Line por R$ 29.800

Buscando aumentar ainda mais as vendas do seu 207, a Peugeot acaba de lançar uma nova versão de entrada do hatch compacto, chamada de X-Line. Para ficar mais barata, o sacrifício veio da lista de equipamentos. O modelo tem preço sugerido de R$ 29.800 com duas portas e R$ 31.600 com quatro portas, ambos com motor 1.4 8V flex, que desenvolve 80 cv de potência com gasolina, 82 cv com álcool e torque de 12,85 mkgf com qualquer combustível.

Continuar lendo