Fernando Calmon – Os vencedores e vencidos do mercado brasileiro de veículos no 1º semestre de 2019

Jeep Renegade Limited 1.8 flex 2019O mercado brasileiro de veículos cresceu 12% neste primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2018. No entanto, a categoria de SUVs e assemelhados continua a aumentar sua participação nas vendas, atingindo o recorde de 21% com tendência a aumentar. Esse é um fenômeno mundial que começou nos EUA (lá representam quase 55% do total de veículos) e se espalhou para a Europa com cerca de 30% de tudo que lá se comercializa.

Continuar lendo

Fernando Calmon – Exportar automóveis é fundamental

Volkswagen Gol para exportação

Volkswagen Gol para exportação

Apesar de todos os fatores de desestímulo, a indústria de veículos instalada no Brasil, incluindo veículos leves e pesados, tem programado investimentos de aproximadamente R$ 50 bilhões no período 2016-2024, segundo levantamento da Automotive Business. Isso, por si, não garante que todo esse capital será mesmo despendido. O mercado interno vem se recuperando mês a mês, porém as exportações vão cair este ano, um dado preocupante. Por isso, exportar automóveis é fundamental.

Continuar lendo

Fernando Calmon – Vencedores e vencidos nas vendas de automóveis em 2018 no Brasil

Chevrolet Onix LT 2019

Chevrolet Onix LT 1.0

O ano de 2018 foi melhor que o esperado em termos de vendas de automóveis, SUVs, monovolumes e picapes. Mas mostrou poucas surpresas dentro da classificação organizada pela coluna e distribuída por 16 segmentos. As stations ficaram de fora por sua baixa representatividade no mercado, confirmada pelo fim de produção da SpaceFox, na Argentina, no final do ano passado. Mesmo caso dos hatches médios: Cruze, Focus e Golf, entre outros, deixaram de atrair consumidores suficientes para formar estatística relevante.

Continuar lendo

Alta Roda – Viagem ao futuro no salão do automóvel de Frankfurt

Frente (front) da Ferrari Portofino

Ferrari Portofino

Ausência de dez marcas no salão do automóvel de Frankfurt, o maior do mundo, que vai até o próximo dia 24, levou ao debate se esse tipo de exposição estaria em crise. Há exagero nessa suposição. Maioria das desistentes nada tinha a mostrar ou sua presença é fraca no mercado alemão. Claro que organizadores de exposições precisam reagir, mas os salões ainda atraem multidões, despertam sonhos e indicam tendências.

Continuar lendo