Fernando Calmon – Citroën C4 Cactus espeta concorrentes

Citroën C4 Cactus

Citroën C4 Cactus

Se o mercado de SUVs continua a crescer bastante no Brasil, há razões para apostar em avanços ainda maiores. Entre os de produção nacional o Citroën C4 Cactus, que começa a ser vendido esta semana, demonstra que novas tecnologias também ganham relevância nesse tipo de veículo.

Continuar lendo

Fernando Calmon – Olhar sobre o futuro do mercado automotivo brasileiro

Volkswagen T-Cross Brasil

Volkswagen T-Cross

Uma jornada e tanto. Desde 5 de maio de 1999 esta coluna completa agora 1.000 edições semanais consecutivas. Para seguir a tendência das mídias impressas e digitais, o nome do colunista passa a encimar a coluna. Alta Roda a partir de agora identifica notícias curtas e relevantes que seguem abaixo. Para essa edição comemorativa foi feito um estudo sobre lançamentos até 2022 do mercado automotivo brasileiro.

Continuar lendo

Alta Roda – Salão do Automóvel de Detroit, o da transição

Salão do Automóvel de Detroit 2018

Salão do Automóvel de Detroit 2018

Ao contrário das exibições recentes na Europa, o Salão do Automóvel de Detroit, nos EUA, que continuará aberto até o próximo dia 28, deixou de enfatizar tanto os veículos híbridos, elétricos e autônomos. Claro, eles estavam lá, mas a ideia principal foi a de transição, um reflexo de dificuldades crescentes. Preços baixos dos combustíveis líquidos, grandes distâncias a exigir infraestrutura de carregamento de baterias e deficiência de geração de energia indicam mudanças bem mais lentas do que se imaginava.

Continuar lendo

Alta Roda – Jeep Compass no rumo certo no Brasil

Foto do Jeep Compass Trailhawk 2017

Jeep Compass

A Jeep, marca do Grupo FCA, tem uma missão definida para o Compass, seu novo SUV médio-compacto: vender de 2.000 a 2.400 unidades por mês quando a produção estiver estabilizada. Naturalmente conta com alguma recuperação do mercado brasileiro em 2017. A grade de preços ficou competitiva, entre R$ 100.000 e 150.000, dividida em três níveis de acabamento e motores flex (um novo 2-litros ainda sem dados técnicos liberados) e diesel (170 cv, 4×4 e câmbio automático de nove marchas).

Continuar lendo

Alta Roda – Fiat Toro chega com ambições

Fiat-Toro-picape-2017

Há muito tempo a Fiat deseja entrar no lucrativo segmento das picapes médias de cabine dupla para cinco passageiros. Em 2007 a marca italiana desistiu de acordo com a Tata porque a picape indiana era tosca demais. A líder das picapes compactas, Strada, é homologada para apenas duas pessoas atrás. A Toro resolve essa situação e se apresenta como alternativa racional por ter 43 cm a menos em comprimento que a média dos concorrentes e a mesma capacidade nominal de uma tonelada (incluindo passageiros) na versão a diesel.

Continuar lendo

Alta Roda – Atenção aos vulneráveis

Jeep-Cherokee

Uma nova fonte inesperada de problemas para a indústria automobilística surge à medida que aumenta o número de carros conectados à internet por vários aparelhos, do telefone inteligente às centrais de multimídia. Interferências eletromagnéticas há muito são monitoradas em exaustivos testes até se alcançar blindagem contra elas. Quando automóveis Toyota nos EUA se acidentaram em razão de acelerações descontroladas, uma das hipóteses, sem comprovação, foi de frequências exóticas de bases militares. Telefones celulares, em aviões, ainda têm restrições de uso.

Continuar lendo

Alta Roda – Preferência em evolução

Nos últimos 12 anos, quando as vendas anuais de veículos no Brasil subiram 140%, o perfil dos compradores mudou e, mais ainda, a segmentação de produtos. Em grande parte isso se deve ao aumento de poder aquisitivo e ao fato de que os carros subiram menos que a inflação em termos reais por qualquer que seja o indicador pesquisado. Na base do mercado os preços nominais subiram 14%, em média, enquanto os salários avançaram 32%. O segmento de entrada, de longe o mais importante, que se subdivide em três (básico, intermediário e superior), assistiu a fenômenos interessantes.

Continuar lendo

Alta Roda – Tiro certeiro

BMW-i3

Quando este colunista esteve em Nova York (EUA), em julho do ano passado, para a prévia mundial do BMW i3, já se sabia que a marca alemã seria a primeira a vender um carro elétrico no Brasil. Decisão ousada, pois a estimativa publicada na coluna era de que custaria em torno de US$ 100.000, ou R$ 230.000, o que se confirmou. Outros modelos elétricos, Nissan Leaf e alguns da Renault, circulam em pequenas frotas cativas. Os fabricantes ainda esperam redução de impostos que cortariam os preços no mínimo em 35%, mas a decisão só deve ser anunciada depois das eleições.

Continuar lendo

Alta Roda – Desconfiança contagiosa

Diagnósticos da atual situação do mercado brasileiro de veículos continuam sem apontar saídas viáveis de curto prazo, depois de um dia inteiro de conferências e debates no V Fórum da Indústria Automobilística, organizado pela Automotive Business, essa semana em São Paulo.

Continuar lendo

Brasileiros pagam preços ‘ridículos’ por carros, aponta Forbes

Jeep/Divulgação

Em artigo na versão on-line, um autor da revista americana Forbes, especializada em finanças e muito conhecida por compilar listas das maiores fortunas do mundo, criticou os preços abusivos pagos por brasileiros por carros considerados de luxo no país. Como exemplo, a publicação cita o valor de Jeep Grand Cherokee, que custa R$ 179 mil (US$ 89,5 mil) no país. Nos Estados Unidos, o mesmo carro sai por cerca de US$ 28 mil.

“Alguém pode pensar que pagar US$ 80 mil em um Jeep Grand Cherokee significa que ele vem com asas e grades folheadas a ouro. Mas no Brasil é a versão básica”, afirma Kenneth Rapoza, autor do artigo e responsável por cobrir os Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) para a Forbes. Ele ressalta que o preço nos EUA é quase metade do salário médio anual de um americano, mas o preço praticado no Brasil está muito aquém dos ganhos de um brasileiro médio.

O jornalista aponta os culpados de sempre pelos preços inflados: impostos sobre importados e outras taxas aplicáveis a produtos industriais. “Com os R$ 179 mil que paga por um único Grand Cherokee, um brasileiro poderia comprar três, se vivesse em Miami”, escreve Rapoza.

O artigo ainda cita o novo Dodge Durango, que deve ser apresentado pela Chrysler no salão do automóvel de São Paulo em outubro, e que custará ainda mais que o Grand Cherokee: cerca de R$ 190 mil (US$ 95 mil), segundo a publicação. Nos EUA, o mesmo carro custa US$ 28,5 mil e até um “professor de escola pública do Bronx” pode comprar um com dois anos de uso.

“Desculpem, ‘Brazukas’ (sic)… não há status em um Toyota Corolla, Honda Civic, Jeep Grand ou Dodge Durango. Não sejam enganados pelo preço. Vocês estão definitivamente sendo roubados”, avisa Rapoza.

Texto: Yahoo
Fonte: Forbes