Alta Roda – Jeep Compass no rumo certo no Brasil

Foto do Jeep Compass Trailhawk 2017

Jeep Compass

A Jeep, marca do Grupo FCA, tem uma missão definida para o Compass, seu novo SUV médio-compacto: vender de 2.000 a 2.400 unidades por mês quando a produção estiver estabilizada. Naturalmente conta com alguma recuperação do mercado brasileiro em 2017. A grade de preços ficou competitiva, entre R$ 100.000 e 150.000, dividida em três níveis de acabamento e motores flex (um novo 2-litros ainda sem dados técnicos liberados) e diesel (170 cv, 4×4 e câmbio automático de nove marchas).

Continuar lendo

Alta Roda – Segmento de SUVs em expansão

Foto dos novos novos Renault Kwid, Captur e Koleos 2017

Renault Kwid, Captur e Koleos

Tradicionalmente o mercado brasileiro recebe influência do europeu em particular pela preferência por modelos de menores dimensões. O Brasil, no entanto, seguiu alguns caminhos próprios ao criar dois segmentos. Um deles só existe aqui, até hoje: picapes pequenas com capacidade de carga de até quase 700 kg. A pioneira Fiat 147 surgiu em 1978. Outra “criação” nacional foi o SUV compacto derivado de um hatch convencional, ou seja, com estrutura monobloco. O Ford EcoSport estreou em 2003 e só oito anos depois chegou o rival direto, Renault Duster.

Continuar lendo

Grande notícia! Numa só tacada, Renault anuncia Kwid, Captur e Koleos para 2017

Foto do CEO da Renault com os novos Kwid, Captur e Koleos

Carlos Ghosn com as “crias”: novos Renault Kwid, Captur e Koleos

A mais francesa da França, a Renault não está mesmo para brincadeiras! Numa só tacada, o CEO da companhia, Carlos Ghosn, anunciou que a marca franco-brasileira vai ampliar sua linha de SUVs no Brasil com a chegada de três novos e inéditos (para o país) modelos: Kwid, Captur e Koleos – todos previstos para 2017.

Continuar lendo

Alta Roda – Presente de Natal

Apesar de altos e baixos, 2012 termina com mais um recorde nas vendas. A previsão até 31 de dezembro é de que se vendam 3,810 milhões de automóveis e comerciais leves e pesados. O crescimento de 4,9% se alinhará ao previsto pela Anfavea que sustentou seus números apesar de um começo de ano muito difícil.

Continuar lendo