Fernando Calmon – Automec aponta bom sinal

Automec 2019

A 14ª edição da Automec, feira internacional bienal de autopeças realizada semana passada em São Paulo, superou as expectativas. Ocupou todo espaço disponível de 90 mil m², além de 20 mil² de área de interação. Atraiu 75 mil visitantes, a grande maioria de profissionais, e se transformou na segunda maior deste setor no mundo. É o maior evento comercial da América Latina, segundo a Reed Exhibitions, pois as rodadas de negócios nacionais e internacionais somaram R$ 77 milhões.

Continuar lendo

Alta Roda – Década perdida para o mercado automotivo brasileiro

Se a onda de desânimo e falta de confiança de compradores e investidores levaram à penosa situação atual do mercado, alguma luz de esperança começa a surgir para 2017. Esse foi um dos principias indicadores do seminário Revisão das Perspectivas 2016, da AutoData, esta semana em São Paulo.

Continuar lendo

Alta Roda – Assim não dá

consumo-combustível

Ganho de eficiência energética, ou menor consumo de combustível, é o maior benefício ao consumidor com o programa governamental Inovar-Auto. É economia direta para o bolso do motorista, principalmente se os fabricantes de veículos forem atraídos pelos incentivos adicionais estabelecidos e ultrapassarem a meta — compulsória — de 12% de ganho em 2017 em relação ao consumo da média dos modelos vendidos por cada marca em 2011.

Continuar lendo

Alta Roda – Lugar ao sol

Nissan-March-2015-Brasil-novo

Hatches compactos têm excessiva representação no mercado brasileiro de automóveis e comerciais leves, nada menos que 45%. Por isso, a Nissan elegeu esse segmento para acelerar seu plano de crescer e se tornar a número um entre as marcas japonesas no Brasil. Não se trata de missão fácil, mas o erro inicial de depender de importações da fábrica mexicana foi superado com a fábrica de Resende (RJ) toda nova (inclusive de motores, como essa coluna antecipou).

Continuar lendo

Alta Roda – Esperar para ver

Ao término do primeiro trimestre, o mercado interno apresentou números fracos, em relação ao mesmo período de 2013, já descontado o efeito sazonal do Carnaval. Até agora as previsões para 2014 variam entre uma queda simbólica de 1% (alguns já admitem 3%) e um crescimento também marginal de 1%. Trata-se de um ano complicado: começou com pequeno aumento de IPI e o acréscimo de preço decorrente da obrigatoriedade de freios ABS e airbags frontais que atingiu carros de entrada.

Continuar lendo