Alta Roda – Jogo está dado no mercado de carros do Brasil

Espera foi bem longa – nada menos de 26 meses ininterruptos – para finalmente o mercado de carros do Brasil alcançar um número positivo na comparação mensal com o mesmo mês do ano anterior. Isso aconteceu agora em março. As 183.850 unidades de automóveis e comerciais leves em 2017, que representam 95% das vendas totais de veículos, subiram 6,1% em relação a março de 2016. No primeiro trimestre, entretanto, o acumulado este ano ainda é 1,1% inferior ao ano passado.

Continuar lendo

Alta Roda – Carro híbrido e carona poderão ter a sua vez

Mobilidade é um tema quase onipresente nos debates sobre presente e futuro das cidades depois que o mundo acelerou a migração do campo para as megaconcentrações urbanas e seu entorno. Entre as diversas facetas discutidas, pelo menos duas têm chamado atenção. O carro híbrido tem potencial de diminuir emissões de gases sob regulamentação e de efeito estufa, enquanto a carona pode melhorar as condições de trânsito.

Carona solidária

Continuar lendo

Alta Roda – Salão do Automóvel de Genebra e dos sonhos

Foto do Salão de Genebra

Salão de Genebra

Uma das melhores edições nos últimos anos do Salão do Automóvel de Genebra fecha suas portas no próximo domingo (19) com um legado de tirar o fôlego. Foram tantas novidades, carros-conceito e de sonhos, revelação de tendências e veículos especiais, que visitantes terão dificuldades de relatar tudo o que viram.

Na véspera da abertura, a General Motors anunciou a venda de sua subsidiária alemã Opel ao Grupo PSA (Peugeot, Citroën e DS), que passa ser o segundo em vendas no mercado europeu. E no período da mostra o Grupo Volkswagen e a Tata assinaram, na Índia, um memorando de colaboração, em geral primeiro passo para voos mais altos no futuro.

Continuar lendo

Alta Roda – Abre-te, sésamo: comando por voz

Android Auto - Comando por voz

Comando por voz chegou ao automóvel de forma meio capenga. A novidade era interessante porque proporcionava uma forma mais natural de acessar funções, sem provocar distrações, desviar os olhos do caminho à frente e, portanto, com potencialidade de evitar acidentes. Entretanto, o sistema apresentava falhas. Além de se limitar a frases exatas, o reconhecimento de voz muitas vezes deixava a desejar. Era motivo de constante reclamação de motoristas nos EUA, onde a novidade começou a se expandir.

Continuar lendo