Líder no Brasil, Volkswagen T-Cross é exportado para a África

Embarque do Volkswagen T-Cross para a Africa
Embarque do Volkswagen T-Cross para a Africa

O que Argentina, México, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai, Uruguai, Curaçao, República Dominicana, St Maarten, Costa Rica, Guatemala, El Salvador, Honduras, Panamá, Aruba, Bahamas, Bolívia e agora Costa do Marfim, Gabão, Gana, Líbia, Madagascar, Ruanda e Sudão tem em comum? Agora o Volkswagen T-Cross é exportado a partir do Brasil para todos eles.

Do Paraná para a África

Isso acontece porque a marca começou a exportação do SUV , produzido em São José dos Pinhais/PR, para sete países (em negrito acima) do continente africano. Somados, eles têm, aproximativamente, 144 milhões de habitantes, divididos em:

  1. Sudão – 41,8 milhões (10º mais populoso do continente)
  2. Gana – 29,8 milhões
  3. Madagascar – 26,3 milhões
  4. Costa do Marfim – 25 milhões
  5. Ruanda – 12,3 milhões
  6. Líbia – 6,7 milhões
  7. Gabão – 2,1 milhões
Fábrica da Volkswagen onde o T-Cross é feito
Feito no Brasil, Volkswagen T-Cross T-Cross é exportado para 26 países

Líder no Brasil

No total, mais de 34 mil unidades do T-Cross foram enviadas para 26 países saindo aqui do Brasil, onde foi o líder da categoria em 2020. Ele também ficou na ponta do segmento na Argentina no ano passado.

“A exportação para esse continente (África), o terceiro mais extenso do mundo com mais de 1,2 bilhão de habitantes, é uma grande oportunidade de conquistar novos mercados com um grande potencial de consumo. Fortalecemos também nossa posição de maior exportadora de automóveis do Brasil”, afirma Pablo Di Si, presidente e CEO da Volkswagen América Latina.

Volkswagen T-Cross Sense 2021 PCD
Volkswagen T-Cross Sense 2021: exclusivo para o Brasil

Três versões, mas “sem motor”

As versões Trendline, Comfortline e Highline nas opções manuais e automáticas, chegam a estes sete novos mercados com poucas adaptações como calibração e manuais que agora estão em idiomas inglês, francês e árabe.

Para o México e para a Bolívia, o T-Cross é exportado com motor 1.6 16V a gasolina, que desenvolve 112 cv (110 hp) de potência a 5.800 rpm e 16,3 mkgf de torque a 4.000 rpm. Para os sete países africanos, a marca não confirmou a motorização.

As versões brasileiras cotam com os propulsores 1.0 12V TSI e 1.4 16V TSI, ambos turbo, com injeção direta de combustível.

ACOMPANHE O DE 0 A 100 TAMBÉM PELO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *