Péssima notícia: Ford fechará fábricas no Brasil. Troller também morre. Por que fiquei aliviado?

Linha Ford Ka 2019
Sem fábricas no Brasil, Ford mata a linha Ka aqui

A notícia é péssima: a Ford confirmou que fechará todas as suas fábricas no Brasil e que não irá produzir mais nenhum carro no país, usando apenas suas bases na Argentina e no Uruguai. A marca alega que não abandonará o nosso mercado, mas não será surpresa se isso acontecer.

No meio dessa loucura toda, por que fiquei aliviado?

Novo Ford EcoSport 2018
Antes na vanguarda, EcoSport tem um fim melancólico

É um melancólico fim de uma história centenária, que começou em São Paulo em 1919.

Em 2020, segundo dados da Anfavea, a companhia vendeu 119.454 veículos no Brasil, fechando o ano em 5º lugar, com 7,14% – atrás de Chevrolet, Volkswagen, Fiat e Hyundai. No ritmo que estava, logo seria ultrapassada pela Renault e pela Toyota.

Adeus Ka e EcoSport

Mesmo recebendo impressionantes R$ 20 bilhões em incentivos fiscais, a Ford anunciou que a produção será encerrada imediatamente nas fábricas de Camaçari (BA) e Taubaté (SP), mantendo-se apenas a fabricação de peças por alguns meses para garantir disponibilidade dos estoques de pós-venda. 

Como resultado, a marca encerrará as vendas do EcoSport, Ka e Ka Sedan assim que terminarem os estoques. Lamentavelmente, mais de cinco mil funcionários serão demitidos.

As operações de manufatura na Argentina e no Uruguai e as organizações de vendas em outros mercados da América do Sul não serão impactadas.

Adeus Troller

O fim vale também para o T4. A planta da Troller em Horizonte (CE) continuará operando apenas até o quarto trimestre de 2021.

Pós-venda (oficina) da Ford
Ford garante o pós-venda no Brasil, mas até quando…

Assistência técnica e garantia

A montadora diz que manterá assistência ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia para seus clientes no Brasil e na América do Sul. Se o pós-venda já era ruim com fábrica, não quero nem imaginar sem…

A empresa também afirma que manterá o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em Tatuí (SP), e sua sede regional em São Paulo.

“Quero enfatizar que estamos comprometidos com a região para o longo prazo e continuaremos a oferecer aos nossos clientes ampla assistência e cobertura de vendas, serviços e garantia. Isso se tornará evidente ao trazermos para o mercado uma linha empolgante e robusta de SUVs, picapes e veículos comerciais conectados e eletrificados, de dentro e fora da região”, disse Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul e Grupo de Mercados Internacionais.

Ford Territory
Ford Territory é o futuro da marca no Brasil

Estratégia futura da Ford

De acordo com a Ford, depois de fechar suas fábricas no Brasil, a região será atendida pelo seu portfólio global de produtos, como a picape Ranger, produzida na Argentina, a nova van Transit, o Bronco, o Mustang Mach 1 e planeja acelerar o lançamento de diversos novos modelos conectados e eletrificados por aqui, incluindo um veículo híbrido plug-in.

Ou seja, vai virar uma marca de nicho, ainda mais se lembrarmos como o dólar está “barato” no Brasil.

Objetivos

Sem fábricas no Brasil, o objetivo da empresa é:

  • Transformar seu negócio automotivo – competindo de maneira desafiadora, simplificando e modernizando todos os aspectos da empresa;
  • Crescer alavancando os pontos fortes já existentes, desafiando o negócio automotivo convencional e realizando parcerias para expandir eficiência e conhecimento.
Painel e câmbio automático do Ford EcoSport 2018
Painel do EcoSport, que morre (0 km) quando os estoque acabarem

Alterativas

Seguindo sua linha de ter apenas SUVs e picapes no portfólio, como alternativa, a Ford poderia manter o EcoSport em linha, levando a produção do Territory também para a Bahia (tornando o modelo mais competitivo), mantendo a fábrica de Camaçari.

Mas o alto custo para produzir o novo modelo seria inviável para a marca, mesmo com os R$ 20 bulhões recebidos de incentivos fiscais. Além disso, não é segredo que o EcoSport patina nas vendas há muito tempo, sendo um produto superado pela concorrência e pouco atraente.

Pós-venda deu a deixa

Posso estar redondamente enganado, mas o péssimo pós-venda da Ford, que pude vivenciar por menos de (longos) 1,5 ano, já antecipava o que tem muita gente chamando de “fim”. O atendimento ruim e o não cumprimento de promessas simples eram um presságio.

Decidi vender o meu Ford Ka SE Plus 2019 por causa do pós-venda Ford

Outra deixa foi ter parado de produzir caminhões por aqui, além de ter tirado o Fiesta e o Focus de linha. Até antecipei que esse momento poderia mesmo acontecer – só não esperava que fosse tão rápido.

Como dono de um Ford Ka, devo me preocupar com a saída da Ford do Brasil?

Fato é que a marca havia anunciado que não produziria mais carros e que, em algum momento, isso afetaria o Brasil. A questão é que pouca gente esperava que o fechamento das fábricas acontecesse tão rápido.

Virar uma marca de nicho deixará até os mais saudosos com o nariz torcido.

A Ford está certa?

O anúncio da Ford pegou quase todo mundo de surpresa, em especial proprietários de carros da marca (felizmente não é mais o meu caso), além de funcionários, fornecedores, parceiros e concessionários.

Se a decisão é certa ou não, isso quem pode responder é a Ford e, principalmente, o tempo.

De toda forma, é preciso coragem para fazer uma manobra dessas, que, como esperado, gerou muito mais críticas do que elogios – afinal, toda uma cadeia será diretamente afetada, incluindo o lado social.

Notícia péssima

Como comentei no início, acho essa notícia péssima. Fiquei realmente chateado, mas sei que uma decisão desse porte não foi tomada agora. Ela é muito mais ampla, levando em consideração outros aspectos importantes, que vão além da pandemia (e que são, em parte, afetados e potencializados por ela), como:

  • dólar caríssimo
  • custo Brasil altíssimo
  • impostos
  • momento econômico muito ruim do Brasil e, o pior de tudo, sem perspectiva de melhora até 2022
  • desemprego alto (impacta muito a economia)
  • inflação batendo na porta (só ir no posto de combustível, no supermercado e numa revenda de carros para ver)
  • falta de planejamento nacional para cuidar da pandemia
Adeus Ford
Mesmo dizendo o contrário, Ford está cada vez mais longe do mercado Brasileiro

Ford não é a primeira

Fica o alerta pois mais fábricas no Brasil podem fechar. Além da Ford, a Mercedes-Benz também fechou sua planta de carros no Brasil, em Iracemápolis (SP). 

Com isso, São Paulo perdeu duas fábricas (e o governo estadual ainda aumenta o ICMS…), Bahia uma e o Ceará mais uma. Que pena…

Renato Parizzi e o seu Ford Ka SE Plus 2019
FELIZMENTE não tenho mais o Ford Ka

Mas por que você ficou aliviado?

Se vender o meu Ka foi uma das melhores coisas que fiz por causa da péssima experiência de pós-venda que tive com a Ford, não ter o carro na minha garagem depois de um anúncio desses me deixou 300 vezes mais aliviado.

Você pode até dizer “mas Renato, você tem um March, que saiu de linha“, mas ele é da Nissan, que não tem planos de deixar o Brasil tão cedo – um, tapa de luva na cara de muita gente. E reforço: sou MUITO mais feliz com o March do que fui com o Ka.

Sou dono de um Ford. O que fazer?

Agora, se você tem um Ford na garagem, considere o seu futuro com o modelo. A marca garantiu, publicamente, o pós-venda (peças, garantia etc.), por pior que ele seja, o que é um alento.

Mas, se fosse eu, não pensaria duas vezes: colocaria o meu Ford para venda ontem! Acreditar que tudo irá se sustentar apoiado em Territory, Ranger, Mustang Mach 1 e Bronco é muito pouco para um mercado tão competitivo quanto o brasileiro.

ACOMPANHE O DE 0 A 100 TAMBÉM PELO:

Comentários

  • Gustavo BH disse:

    A Ford está perdendo competitividade em nível mundial. Vai bem apenas no mercado americano por causa das suas picapes. A sinergia com as chinesas está em andamento. Só não foi comprada por eles pq os americanos não querem perdem essa disputa comercial. Não sei, mas a Ford não tem cara de empresa de carros de nicho.

    • Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *