Nissan anuncia o começo de produção da nova Frontier

Nova Nissan Frontier
Nova Frontier será fabricada na Argentina e vendida no Brasil

A Nissan anunciou, ontem, o início da produção da nova Frontier, fabricada em Santa Isabel, Córdoba, para abastecer o mercado argentino, além da exportação para o Brasil.

A picape será exportada também para Chile e Colômbia, atendendo às normas Euro 6.

“Desde que iniciamos a produção da primeira Frontier em 2018, temos demonstrado nosso compromisso com o país e a América do Sul, apostando em nosso potencial para nos tornarmos líderes no desenvolvimento fabril, promovendo o crescimento constante da indústria, o desenvolvimento de fornecedores locais e a oportunidade de continuar gerando novos empregos”, afirma Gonzalo Ibarzabal, presidente da Nissan Argentina.

Investimento na região

O reforço da presença da Nissan na Argentina não é novo. Este projeto começou em 2015, com o anúncio de um investimento de 600 milhões de dólares e uma visão clara do futuro da empresa no país. Em julho de 2018, o compromisso foi cumprido com o lançamento do seu primeiro marco: o nascimento da Frontier produzida localmente.

Pouco menos de três anos depois, após um investimento adicional de 130 milhões de dólares, visando principalmente a incorporação de tecnologia de alta qualidade e o desenvolvimento de novos fornecedores locais, a Nissan segue apoiando a indústria local.

Resultados

Isso é reforçado por um 2021 bem-sucedido para a empresa na Argentina, que aumentou suas vendas gerais em 26% e as da Frontier em 58%. A picape também foi bem no Brasil em 2021. Segundo a marca, o modelo registrou o maior aumento de vendas do seu segmento no mercado brasileiro, com uma evolução de 40% em relação ao ano anterior.

“Estamos promovendo a produção local e criando um ecossistema de oportunidades que vai da base de fornecedores, da fábrica onde a Frontier é produzida até o ponto de venda, e também contribuindo para o nosso objetivo de promover as exportações. Em setembro de 2021, atingimos a marca de 25.000 unidades da Frontier exportadas para o Brasil desde o início da produção na Argentina e nossas expectativas para este novo modelo são animadoras”, acrescenta Ibarzabal.

Nova Frontier

A nova Frontier, produzida em Córdoba, tem o respaldo de mais de 80 anos de experiência global na fabricação de veículos comerciais leves. Além disso, é o resultado de anos de pesquisas e longas fases de testes na América Latina para garantir os mais altos padrões de qualidade.

Com o anúncio do início da produção da nova picape em Córdoba, a empresa reafirma o objetivo de seus investimentos e o potencial da capacidade produtiva local, além de gerar um impacto positivo no crescimento da pegada fabril de alta qualidade na Argentina e na região.

histórico de picapes da Nissan
Evolução da Frontier: histórico de picapes da Nissan

Histórico de picapes

Em 1934, a Nissan, então uma jovem empresa japonesa de automóveis, iniciava a produção e a venda de sua primeira picape, que era comercializada sob uma das marcas do grupo, a Datsun. De cabine simples, a 13T Truck era equipada com motor de 15 cv a 3.600 rpm, transmissão manual 3 marchas e tinha 530 quilos de capacidade de carga.

Já na década de 1950, a Nissan criou seu primeiro modelo já seguindo as características de vanguarda das picapes compactas, a Datsun Truck 120. Trazia um motor de 860 cm³ de cilindrada e suspensão independente no eixo dianteiro (barra de torção), melhorando o desempenho e o conforto. Uma versão alongada também foi lançada logo depois.

Picapes na América Latina

Os primeiros carros e picapes Datsun chegaram a mercados da América Latina, como Peru e Chile, a partir de 1935. Em 1972, a Nissan começou a produzir Datsun 521 em sua fábrica de Cuernavaca, no México. O modelo era exportado para alguns países da região e teve grande aceitação na América Central. Anos depois, o segundo modelo exportado do México foi a picape Datsun 620.

A terceira geração de picapes produzidas na América Latina foi a Datsun 720, a primeira a oferecer tração nas quatro rodas. Entre 1973 e 1979, as vendas da 720 ajudaram a aumentar significativamente o número de picapes nas vias da região, que foram de 2.000 a 72.000 unidades por ano, especialmente na Nicarágua, em El Salvador e em Honduras – os principais mercados.

E a Frontier?

Nos anos 1990, a 720 foi sucedida pela família da D21, que era vendida na região com diferentes nomes: Terrano, no Chile, e Frontier nos demais países da região. Esses modelos trouxeram novo nível de conveniência e inovação nos produtos oferecidos na região.

A experiência acumulada pela marca nos mais de 80 anos de produção de utilitários reflete-se na linha da Frontier, um nome consolidado nos 20 anos de história da marca japonesa no mercado brasileiro.

Post atualizado em 24/03/2022.

ACOMPANHE O DE 0 A 100 TAMBÉM PELO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *