Uma manhã de muita diversão e de despedida a bordo de um Fiat Bravo T-Jet

Fiat-Bravo-T-Jet-2015
Fiat Bravo T-Jet

Costumo ir para São Paulo (SP) muitas vezes a trabalho. As viagens são quase sempre as mesmas no sentido de rotina. Mas, numa das mais recentes, tive uma agradável surpresa: uma manhã de muita diversão e de despedida a bordo de um Fiat Bravo T-Jet!

Pelas fotos, vocês percebem que não é um Bravo novíssimo, linha 2016, uma vez que não foi a Fiat que me emprestou o carro – a marca tem seus critérios de empréstimo a jornalistas e, infelizmente, o De 0 a 100 ainda não atende a esses requisitos. Mas não posso deixar que isso me atrapalhe e, dessa forma, consegui uma unidade do modelo para uma rápida avaliação. Como eu tinha pouco tempo, aproveitei o máximo possível!

Fotos das rodas do de arp 17 do Fiat Bravo T-Jet (turbo)
Pinça de freio é pintada de vermelho. Rodas em 17″

Motor, o astro

O principal destaque do veículo foi e continua sendo o seu motor 1.4 16V turbo a gasolina, que desenvolve 152 cv de potência a 5.500 rpm e 21,1 mkgf de torque entre 2.250 rpm e 4.000 rpm. Acoplado a um câmbio manual de seis marchas, o Bravo instiga o motorista a acelerar, mesmo com seus pesados 1.435 kg. Mas, caso o motorista não queira, é possível rodar tranquilo e macio no dia a dia, poupando combustível e tendo um carro mais normal.

Se quiser diversão, basta pisar mais fundo para explorar o propulsor. Mesmo nas marginais de São Paulo, onde a velocidade máxima atual é de 70 km/h, foi possível perceber como o hatch acelera bem. Quando o motor enche um pouco, ele logo fica animado, abrindo um sorriso no rosto de quem está atrás do volante.

Foto do motor 1.4 turbo, que dá o nome T-Jet ao Fiat-Bravo
Motor 1.4 16V turbo é o principal destaque do Bravo T-Jet

Se quiser explorar o hatch médio em todo o seu potencial, aperte o botão Overbooster no painel. Com ele acionado, o torque máximo sobe para 23 mkgf a 3.000 rpm, dando ao Bravo um fôlego extra. E você realmente nota que ele fica mais forte, afinal, quase 2 mkgf fazem diferença para praticamente todos os carros.

Durante o tempo em que fiquei com o Fiat, senti falta da direção elétrica ser mais firme, especialmente com o carro a 70 km/h. Por outro lado, a leveza foi excelente para manobras rápidas e de estacionamento, muito comuns na cidade. Com 400 litros, o porta-malas me agradou bastante, mas o espaço interno foi reprovado, especialmente no banco traseiro.

Foto do visual traseiro Fiat Bravo 2015
Visual do Fiat Bravo ainda agrada

Espaço

Na frente, como sou muito alto, foi realmente difícil encontrar uma boa posição de dirigir. O Bravo tem ajustes de altura do banco e de altura e profundidade do volante, que são extremamente úteis, mas o meu problema foi o teto solar Skydome.

Para suportar todo o sistema elétrico, o acabamento do teto precisa ser rebaixado e bate na minha cabeça (mesmo com o banco todo para baixo), me impossibilitando de encontrar uma posição confortável e segura de guiar. Por isso prefiro carros sem teto solar.

Em termos visuais, o Bravo continua bonito, sendo que a sua linha 2016 está um pouco mais atual. Mas o projeto já demonstra os sinais da idade e pede por uma nova geração.

Foto do acabamento externo do Overbooster do Bravo T-Jet
Ganhe 1,9 mkgf a mais de torque com o Overbooster

Equipamentos

A lista de equipamentos de série do Fiat Bravo T-Jet é até animadora, com destaque para alarme, apoios de cabeça e cinto de três pontos para todos; ar-condicionado automático Dualtemp com saída de ar para o banco traseiro (que é bipartido com apoia-braço central e porta-copos); chave canivete com telecomando para abertura das portas, vidros e porta-malas; computador de bordo; freio a disco nas quatro rodas com ABS, EBD e ESS (sinalização de frenagem de emergência); controle de estabilidade (ESP); airbag duplo; faróis de neblina com sistema Cornering; Isofix; Hill Holder (sistema ativo freio com controle eletrônico que auxilia nas arrancadas do veículo em subida); kit parafusos antifurto das rodas (um por roda); piloto automático; travas, vidros e retrovisores elétricos; rodas de liga leve 7.0 x 17” esportivas com acabamento diamantado + pneus 215/45 R17; sensor de estacionamento traseiro; volante revestido em couro multifuncional (8 botões); central multimídia Uconnect Touch 5″ (com tela de 5″ touchscreen; comandos de voz Bluetooth; audio streaming; entradas auxiliar e USB; MP3; rádio AM/FM) – mas, no carro avaliado, a central ainda tinha a antiga e pouquíssimo prática tela que não era sensível ao toque.

Foto do interior do Bravo T-Jet 2016
Como não consegui fotografar o interior, ilustro com uma foto do painel é do Bravo T-Jet 2016

Preço

Por outro lado, seu preço público sugerido, R$ 89.770, é extremamente alto, em especial para um veículo superado pela concorrência e que vende pouco, sofrendo com uma desvalorização mais alta. Sua versão de entrada, Essence 1.8 manual ( R$ 71.050), que já custou bem menos do que os seus rivais diretos, também poderia ser mais barata.

Resumo da obra

Ainda assim, o Bravo é um carro legal e que me garantiu (poucas e) boas horas de diversão durante uma manhã. Fiquei o resto do dia pensando no seu comportamento dinâmico e agradecendo a oportunidade, pois foi uma forma digna e interessante de me despedir oficialmente dele, uma vez que, pelo andar da carruagem, o hatch não deverá ficar muito mais tempo entre nós, deixando de ser fabricado em breve.

ACOMPANHE O DE 0 A 100 TAMBÉM PELO:

Comentários

    • Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *